Mitos e verdades sobre a amamentação

A amamentação, assim como todo o universo da maternidade, está permeada de mitos e verdades que deixam as mamães, principalmente as de primeira viagem, muito confusas. Por isso, a psicóloga e consultora em aleitamento materno Paloma Vilhena desvendou alguns desses mistérios.

 

– Mamilos invertidos impossibilitam a amamentação.
Os mamilos invertidos podem dificultar um pouco a amamentação, mas é possível amamentar sim. Para fazer a pega correta o bebê deve abocanhar a auréola, e não o mamilo! Por esse motivo, nenhum tipo de mamilo impossibilita a amamentação e existem técnicas para superar as dificuldades.

 

– Canjica e cerveja aumentam estimulam a produção.
Não há nenhuma evidência científica sobre a canjica ou a cerveja, além de não ser indicado ingerir bebida alcoólica durante a amamentação. Em doses pequenas e esporádicas, o álcool é considerado compatível com a amamentação, mas quando é consumido de forma regular e em grande quantidade pode prejudicar o bebê. O que estimula a produção de leite é a amamentação em livre demanda: quanto mais o bebê mama, mais leite produz. Se há pouca produção de leite, é necessário verificar o que está acontecendo e se necessário contratar uma consultora de aleitamento.

 

– Estresse faz o leite secar.
Em situações de estresse o leite continua a ser produzido, mas sua saída é prejudicada. Quando a mulher está estressada, ansiosa, com medo ou insegurança, o seu corpo libera adrenalina que inibe a liberação da ocitocina e prejudica a saída do leite da mama momentaneamente. Se a mulher se tranquilizar e descansar, o leite voltará a sair. Por isso, é importante ter uma rede de apoio que garanta o bem-estar emocional da mãe.

 

– O tamanho do seio interfere na quantidade de leite.
Não! O leite é produzido conforme o estímulo do bebê. Sendo assim, o seio materno não é um reservatório e não precisa ser grande para caber mais leite.

 

– O leite materno pode não ser suficiente para nutrição do bebê. 

O leite materno do ponto de vista nutricional tem tudo o que o bebê precisa nos primeiros meses de vida, não sendo necessário complementar com água, sucos ou nenhum tipo de alimento. Após os seis meses, começa a introdução alimentar, mas é indicado continuar amamentando.

 

– O tipo de parto interfere na amamentação.
Por ser uma cirurgia, a cesariana pode interferir na amamentação porque a mãe pode estar com dor e desconforto, e pode precisar de suporte e orientação da equipe médica para amamentar. Uma posição que ajuda é a posição invertida, para que o bebê não pressione os pontos da cesariana. Pode acontecer também da primeira mamada demorar mais por causa dos procedimentos hospitalares realizadas. É importante conversar com a equipe, fazer um plano de parto e deixar claro o que deseja em relação à amamentação e primeiros momentos com o bebê.

 

– Acelera a perda de peso da mãe.
É comum mulheres que emagrecem amamentando já que aumenta o gasto de energia. Mas para emagrecer, a energia gasta tem que ser maior do que as calorias ingeridas. Além disso, cada metabolismo age de modo diferente e existem mulheres que engordam durante a amamentação. Há uma pressão muito grande para que a puérpera emagreça o mais rápido possível e é um assunto que angustia muito as mulheres. A maioria das puérperas recupera o peso em cerca de 10 meses após o parto. Mas, além da alimentação equilibrada e do funcionamento particular de cada metabolismo, é preciso dormir bem, conseguir descansar e ter apoio da família para conseguir emagrecer. Nem sempre tudo isso é possível. Evite se comparar com outras mulheres e se fazer cobranças em relação a isso, o puerpério já tem muitas cobranças! Além disso, o corpo não voltará a ser exatamente como antes, assim como a forma de pensar e ver a vida, rotina e o relacionamento consigo e com os outros. Isso tudo não é necessariamente ruim, apenas diferente. Todas as fases da vida têm perdas e ganhos!

 

– Quem volta ao trabalho após a licença-maternidade precisa parar de amamentar.
Não! É possível continuar amamentando retirando e congelando o leite, tendo um cuidador(a) que ofereça o leite ao bebê nos períodos em que a mãe estiver no trabalho, e continuar amamentando nos períodos em que estiver em casa. Para isso:

– Saiba realizar a ordenha;

– Saiba como armazenar o leite de forma adequada para não perder os nutrientes. O recomendando é utilizar potes de vidro com tampa plástica esterilizados.

– Escolha um cuidador(a) em que confie. Pode ser alguém da família, amigos ou uma babá. Ensine para ele(a) como descongelar e oferecer o leite armazenado. Ajude o seu bebê a se acostumar com o novo cuidador(a) pelo menos duas semanas antes de retornar ao trabalho.

– Conheça os direitos da mãe lactante.

Nesse material preparado pela UNICEF é possível obter mais informações sobre a ordenha e armazenamento do leite, além da legislação para lactantes: https://uni.cf/2aubdlH

 

– Mamadeira interfere no aleitamento.
Sim, pode causar confusão de bicos. O movimento que o bebê faz ao sugar o seio e um bico artificial é muito diferente. De acordo com a UNICEF, um dos passos para o sucesso da amamentação é não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas. Existem alternativas, como o copinho!

 

 

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,952FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!