Hábitos associativos de Sono do Bebê

Nos textos anteriores consideramos os hábitos que a criança associa para dormir.

 

Explicamos que para cada transição do sono leve para o sono profundo, ela necessita dos hábitos associativos para renovar seu ciclo de sono.

 

Os pais necessitarão de muita paciência para ajudar o filho a aprender um novo grupo de associações, pois para qualquer ser humano a perda de um hábito é muito difícil, principalmente os que estão relacionados ao momento de descanso e repouso.

 

Chupeta, mamadeira, balanço, coçar as costas, mexer no cabelo são hábitos que, muitas vezes, apenas trocamos um pelo outro, não percebendo que ainda assim, a criança precisa de ajuda para voltar a dormir.

 

Quando esses hábitos são muito frequentes os pais, exaustos, levam as crianças para a sua cama, criando assim a chamada “cama compartilhada”.

 

A “cama compartilhada” é usada por diversos motivos. Cada família que a cria tem sua alegação. E entendemos cada uma delas. Partilhamos da ideia de felicidade e bem-estar da família.

 

O que seria importante destacar é que os hábitos associativos podem se desenvolver onde quer que a criança esteja. Na sua cama ou na dela.

 

O fato de dormir com os pais não quer dizer que ela não precise de ajuda para recolocar a chupeta, coçar suas costas, mexer no seu cabelo e voltar a dormir.

 

Existem muitos entendimentos acerca da cama compartilhada. E respeitamos todos.

 

Sugerimos que as famílias que o fazem, ao entenderem e perceberem a necessidade de separar as camas, os quartos, que o façam de maneira gradual. Nesse caso, o acompanhamento de um profissional especializado em Sono Infantil seria ainda mais indicado, isso porque como dissemos no início do texto, essa criança está perdendo um hábito, e para ela é muito difícil.

 

Neste momento, o importante é trabalhar os limites da criança e as expectativas dos pais, que também estão acostumados com a rotina de compartilhamento.

 

A modificação na conduta familiar tem que ser feita devagar, com tranquilidade e respeito para que não haja um grande impacto na rotina da criança e da própria família. Essas modificações devem servir para ensinar a criança que as coisas mudam, mas que nada precisa ser tão rápido e traumático.

 

Todas as decisões de modificação que envolva uma escolha feita pelo casal tão logo o bebezinho chegou da maternidade e ao longo de suas vidas, devem ser elaboradas e trabalhadas para a tranquilidade familiar.

 

Alterar rotinas e comportamentos requer muita paciência e compreensão de todos os envolvidos.

 

Sim, a “cama compartilhada” indica amor e proteção, mas existem também muitas outras formas de transmitir esses sentimentos. E, exatamente por isso, entendemos cada escolha familiar e apoiamos.

Dayse Cristina Oliveira Melo
Consultora Materna Especialista em Aleitamento Materno. Consultora do Sono Infantil. Proprietária da A Mamãe Nasceu Assessoria. Graduanda em Fonoaudiologia Mãe do Henri

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,955FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!