Fala infantil: quando a troca do R pelo L é um problema?

O desenvolvimento da fala infantil inicia quando o bebê começa a balbuciar e é comum que crianças a partir dos 6 anos de idade saibam falar corretamente todos os sons.  Entretanto, muitos pais preocupam-se com a fala dos filhos a partir dos 3 anos, principalmente quando trocam o R pelo L, sendo frequente a pergunda de quando isso se transforma realmente em problema.

 

Conversamos com duas profissionais que nos auxiliaram na solução das dúvidas mais frequentes sobre o tema: Profa Dra Haydee Fiszbein Wertzner, associada ao departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupcional da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, e com a fonoaudióloga Haydée Zamperlini, especialista em Audiologia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia e especialista em Motricidade Orofacial  pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, mestre em Distúrbios da Comunicação- Pontifícia Universidade  Católica de São Paulo  –  PUC-SP e articulista da Somos Mães.

Segundo a Profª Haydee Fiszbein, “em primeiro lugar é importante reforçar que o desenvolvimento da fala e da linguagem é gradual e começa desde o balbucio. Estimular a fala das crianças é fundamental e os pais são ótimos nessa tarefa. O resultado dessa estimulação será um bebê que balbucia muito produzindo diferentes sons. Em seguida, entre 12 e 18 meses, a criança começa a produção das primeiras palavras e, à medida em que ouve as palavras, observa os outros falando e sente os movimentos que ela mesma faz com a língua e lábios.

 

Assim, ela vai aprimorando a produção dos sons e compreendendo a importância de cada um e como eles diferenciam as palavras. Por volta dos três anos a fala da criança é inteligível e vai se aprimorando até que, por volta dos seis anos, ela é capaz de falar praticamente todas as palavras, mostrando alguma dificuldade em palavras polissílabas e com sílabas complexas como por exemplo pedregulho, paralelepípedo, etc. Então, quando uma criança por volta dos três anos de idade manifesta uma fala que só é compreendida pelos familiares mais próximos ou por seus cuidadores já é recomendável procurar um fonoaudiólogo que irá avaliar a situação e orientar a melhor conduta.”

 

A fonoaudióloga Haydée Zamperlini alerta que é muito comum que a ansiedade dos pais para que os filhos falem corretamente ocasione a “disfluência de fala”, mais conhecida como gagueira. Haydée comenta que crianças que apresentam rinites alérgicas ou otites de repetição normalmente apresentam trocas na fala. Chupetas e mamadeiras favorecem e modificam as arcadas dentárias, posicionamento de lábios e língua, ocasionado uma má erupção dentária, o que pode trazer alguma dificuldade na fala também. “A intervenção de uma fonoaudióloga pode ajudar na retirada dos hábitos de sucção e orientação”, diz Haydée.

 

Haydée Zamperlini completa que a pediatria normalmente espera até os 5 anos de idade da criança para encaminhá-la ao profissional de Fonoaudiologia. Entretanto, como as crianças começam a alfabetização aos 4 anos, 4 anos e meio, é normal que a criança sinta uma certa confusão no início da escrita porque o que ela fala não reflete o que está escrevendo. Por esse motivo, Haydée recomenda a orientação fonoaudiológica aos 4 anos de idade. 

 

A Profª Haydee Fiszbein diz que “dentre as dificuldades mais encontradas entre as crianças e que caracteriza alteração denominada transtorno dos sons da fala, no português brasileiro, observamos mais a substituição ou ausência dos sons “l, lh, r”  (como em lápis, olho, e careca), nos encontros consonantais (substituição ou ausência dos sons “l, r” em palavras como blusa ou prato), a substituição dos sons “ch, j” respectivamente por “s, z” (como “save” para “chave”), e a substituição dos sons “v, z, j” respectivamente por “f, s,ch”  (como “faca” para “vaca”) e dos sons “b, d, g” por “p,t.k” (como “pato” para “bato). Há vários fatores que interferem na velocidade do desenvolvimento da fala.”

  

Conversar com a criança sem o uso excessivo de diminutivos e falando corretamente, contar histórias e cantar são atividades muito importantes para o aprendizado infantil. 

 

 “Seu filho pode apresentar algum problema enquanto está aprendendo a falar e se comunicar, porém, na maioria das vezes, esta dificuldade pode desaparecer naturalmente até os 5 anos de idade com apenas uma boa orientação de um fonoaudiólogo”, completa Haydée Zamperlini.

 
Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!