Zika Vírus

Não há a menor dúvida, a preocupação do momento é o vírus Zika.  Apesar de acometer a ambos sexos a preocupação reside principalmente entre as mulheres grávidas e os casais que desejam engravidar. Não é para menos, as noticias são desencontradas e muito pouco claras. E para piorar nenhuma autoridade assume e se presta a esclarecer. Pronto, o caos se instala.

 

Em minha opinião é o momento para manter a calma e refletir sobre o que temos de concreto. E desse momento em diante tomar decisões que vão se basear no que há de conhecimento e nas nossas necessidades. Até porque não será este um ultimo surto que passaremos!

 

Com base em dados disponíveis farei aqui algumas considerações e que espero sejam interessantes:

 

1. Faz sentido que Zika seja a responsável pelo suposto aumento de microcefalia: certos vírus podem alterar a embriogênese do sistema nervoso no primeiro trimestre; Zika está em crescimento; microcefalia está em crescimento. Dai se pensa que uma coisa causa a outra, sem perceberem que fazer sentido não é o mesmo que ser um fato.

2. Já existem bebês que nasceram com microcefalia e contato com Zika, mas quantos são normais e também tiveram contato com o vírus. Daí teremos uma ideia do grau de severidade.

3. Ponto MUITO importante: fala-se em um crescimento grande do número de registros de microcefalia, de 30 casos para 4.000 casos  (possivelmente já estamos com mais). Isto é bastante assustador e o número que passa dos milhares traz a conotação de um grande risco. As grávidas entram em pânico quando se fala em milhares de casos. No entanto, risco é uma probabilidade, advinda do total de desfechos dividido pelo total de pessoas vulneráveis ao desfecho. Desta forma, dividindo-se 1.200 pelo número médio de nascidos-vivos em um período de 3 meses (em torno de 600.000), chegamos a um risco de 0.19% de uma criança nascer com microcefalia nestes últimos meses, dada todas as possíveis causas, não apenas Zika. Se considerarmos o cenário catastrófico de que metade destes casos decorrem de Zika, diremos que 0.095% é o risco de microcefalia por Zika. Isto justifica pânico?

4. Lembro que antes do Zika a microcefalia já existia: citomegalovírus 2.6% de incidência de infecção, toxoplasmose 1.6%, sífilis 0.5%, herpes 0.2%, só para falar alguns. E 40-50% dos fetos afetados por estas infecções apresentam sequelas

5. No sistema público de saúde, provavelmente menos grávidas faziam ultrassom. Hoje vemos mutirões de ultrassom. E os médicos que fazem os exames estão muito mais atentos. Isso tudo indica que é muito plausível acreditar que no passado havia subnotificação.Desta forma, há plausível SUBnotificação do passado e SUPERnotificação do presente. Quantitativamente, parte do problema é criada por isso. Pelo menos parte do problema.

6. Se o Vírus é novo por aqui é velho em outro lugar, digamos Africa (a origem que se acredita), será que existe uma multidão de crianças acometidas por lá?

7. Até o presente momento não tomei conhecimento de um único trabalho cientifico que demonstre claramente a relação: Zika levando a microcefalia (estão em andamento em camundongos ainda).
*Em recentes estudos realizados pelo Instituto de Engenharia Celular da Universidade Jonhs Hopkins foi possível detectar a primeira prova experimental que demostrou um vínculo biológico entre o zika vírus e os casos de microcefalia. Durante a pesquisa foi constatado que o zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypt pode afetar diretamente no desenvolvimento do feto, que em muitos casos pode apresentar um quadro de microcefalia. O que pode se afirmar por enquanto é que o zika vírus pode infectar e danificar rapidamente células cerebrais em desenvolvimento nos fetos, o que resulta na má-formação craniana ou microcefalia. 

8. Não existe vacina. Na melhor das hipóteses teremos que esperar 3 anos para tanto. Assim a melhor maneira de se prevenir a doença e evitar o contato com o mosquito é combater os focos. Os mosquitos atacam pela manhã e ao entardecer, especialmente durante o calor e a chuva. Por isso é bom fechar a janelas nesses períodos e usar telas. Dê preferência vestir roupas claras e que cubram o corpo, calças compridas e mangas longas. Evitar também roupas coloridas que chamem atenção. Os odores são atrativos aos mosquitos assim evitar produtos de higiene que tenham cheiro forte (perfume, sabonete, cremes).
 
9. O repelente talvez seja nossa melhor arma hoje. O mais recomendado é a base de  Icaridina, substância mais duradoura e eficaz. Em concentração de 10% tem duração de 4 a 5 horas e em concentração de 20%, na apresentação gel, dura até 10 horas. A melhor forma de usar este produto é: aplicar a forma gel sobre a pele e o spray sobre a roupa. Outra opção de repelente com eficácia se chama DEET (dietil toluamida).

 

Trata-se de um repelente desenvolvido para o exército dos EUA, em 1946. Desde os anos 50 que se encontra à venda para a população em geral. Portanto, é um repelente com mais de 50 anos de uso e experiência. Outra substância é o IR3535 (20%). É também uma alternativa segura e eficiente contra os mosquitos transmissores da Dengue, Zika e Chikungunya, com proteção efetiva por 7 horas, e devido a seu alto nível de segurança, pode ser usado por crianças a partir de 6 meses de idade. Para evitar excessos e aumento de toxicidade não aplicar na pele que já esta protegida pela roupa.

Bom acho que já tenho pontos para se pensar. O problema é que se gera uma histeria e nenhum órgão serio no Brasil fala as claras a respeito. Apenas leigos e curiosos, quando não irresponsáveis. Daí temos um caldeirão de fofocas e teorias as mais variadas. Para mim o pior é orientar a não se engravidar. Ponha-se no lugar de quem esta grávida: sendo julgada por todos e completamente louca por tudo que se fala; Agora no lugar de quem quer engravidar vendo o tempo passar e apostando num futuro incerto de que vai melhorar, quando as chances dela podem piorar. O certo pelo duvidoso.

 

Cuidado temos que ter, está claro. O problema esta aí, mas temos que combater o mosquito e cobrar das autoridades muito isso. É inconcebível que na atualidade ainda estejamos vivendo como no século passado.
No mais prevenir, manter o foco no que é essencial a vida e aos sonhos

 

Artigo anteriorSíndrome Cri Du Chat
Próximo artigoInfertilidade Masculina
Dr. Vamberto Maia Filho
Graduação em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (2001). Realizou residência médica em Ginecologia e Obstetrícia (2004) e em Reprodução Humana (2005) pelo Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP). Possui título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO/TEGO - 2004) e em endoscopia ginecológica (Video-laparoscopia e Histeroscopia - FEBRASGO - 2005). Doutor em ciências médicas pela UNIFESP (2010). Foi diretor médico do Centro de Reprodução Humana do Hospital e Maternidade Santa Joana - SP. Ex-sócio do grupo Huntington Medicina Reprodutiva. Médico do setor de Ginecologia-Endócrina da UNIFESP com enfase no ensino com linha de pesquisa em implantação embrionária. Responsável pelo ambulatório de hirsutismo do setor de Ginecologia-Endócrina da UNIFESP Doutor pela UNIFESP. Membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. Experiência na área de Ginecologia, com ênfase em Reprodução Humana.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,950FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!