Tristeza pós parto é normal? Saiba o que diz especialista

A tristeza no puerpério, também conhecida como Baby Blues ou Blues Puerperal, apesar de não ser considerada uma patologia, é mais comum do que pensamos e atinge cerca de 80% das parturientes, segundo estimativa de especialistas. Portanto, uma questão importante a ser discutida entre família e especialistas.

 

O baby blues não incapacita a mulher de seguir seu cotidiano normalmente e de prestar os cuidados básicos ao seu bebê, no entanto, a psicoterapeuta infantil e perinatal Paloma Vilhena, alerta para as principais características da tristeza após o parto.

 

“É importante diferenciar tristeza de depressão. A tristeza materna é chamada de baby blues. Ela é causada pelas mudanças, principalmente hormonais, que ocorrem após a chegada do bebê. Essa tristeza dura em torno de duas semanas. De toda forma, ficar triste em alguns momentos faz parte da maternidade, o nascimento do bebê é uma nova fase que pode ser difícil e cansativa emocionalmente”.

 

Sintomas do Baby Blues

 

Por mais que não seja uma patologia, a tristeza no puerpério pode vir acompanhada de alguns sintomas como: desânimo, angústia, impaciência, irritabilidade, mudança de humor, cansaço e choro e costuma aparecer nos primeiros dias após o nascimento da criança e desaparecer, espontaneamente, dentro de uma ou duas semanas. Não precisa de nenhum tipo de medicamento. 

 

Essa tristeza sentida pela mulher, desde que não afete seu cotidiano ou a deixe abatida, não é prejudicial ao bebê. “Uma tristeza passageira não traz prejuízos significativos para o bebê. Inclusive, é importante que as crianças saibam que existe tristeza, assim, saberão reconhecê-la e lidarem com ela. A mãe pode conversar com o bebê sobre a tristeza que sente, dizer que o ama e que é comum sentir-se triste em alguns momentos”, afirma Paloma.

 

A tristeza está afetando sua produtividade, rotina e relação com o bebê? A psicoterapeuta alerta para as nuances desse sentimento.

 

· Quando essa tristeza aumenta em frequência e intensidade, as atividades exigem muito mais esforço do que anteriormente. 

 

· A mãe sinte que o seu bebê está sendo teimoso, fazendo birra e a desafiando, em situações que está apenas sendo um bebê.

 

· Uma mãe que não está bem, não consegue olhar para a criança como um indivíduo. Quando olha para o bebê, vê todas as dificuldades, sentimentos negativos e mudanças físicas que vieram com o seu nascimento, além de projetos que tiveram que ficar de lado.

 

O Somos Mães de Primeira Viagem já abordou os sentimentos recorrentes pós parto na matéria sobre o que acontece com a mulher depois da gravidez.

 

Tratamento

 

O tratamento para o baby blues não existe, já que ele costuma desaparecer em um período curto, porém a depressão pós-parto é um quadro completamente diferente: “A depressão pós-parto quando não é tratada tende a piorar em intensidade, e torna a mulher incapacitada de cuidar do bebê”, explica a especialista.

 

Se você, mamãe, se identificou com alguns dos tópicos levantados nessa matéria e ficou com dúvidas quanto ao estado que você se encontra agora, é bom procurar um especialista para poder te ajudar. Qualquer quadro que fuja da sua normalidade é necessário acompanhamento e diagnóstico. Por isso, não hesite na hora de procurar ajuda especializada. Além disso, toda a família precisa se unir e ajudar a identificar possíveis problemas, principalmente o papai que também pode sofrer de depressão pós-parto.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,991FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!