Iniciando a alimentação complementar – papa salgada

Cerca de uma semana após a introdução da papa de fruta, é hora de iniciar a papinha salgada, no horário do almoço. Ela deve conter uma a duas porções do grupo verduras e legumes e, uma porção de cada um dos outros três grupos. Veja os quatro grupos de alimentos na tabela abaixo:

 

Grupo de alimentos

Cereais, tubérculos – Arroz, macarrão, mandioca, batata, batata doce, cará, inhame.

Leguminosas – Feijões, ervilha, lentilha, grão de bico e soja.

Legumes e Verduras – Cenoura, couve-flor, abóbora, abobrinha, brócolis, chuchu, beterraba, folhas verdes, entre outras.

Carnes ou ovo – Frango, peixe, boi, ovo, miúdos (bife de fígado).

 

É importante variar ao máximo os alimentos para que a criança receba todos os nutrientes que necessita e também, para contribuir com a formação de bons hábitos alimentares. 

 

Vale ressaltar que as refeições devem ser oferecidas sem rigidez de horário, respeitando sempre a vontade da criança.

 

A papa deve ser amassada com garfo, evitando liquidificar. Se os pedaços de carne ficarem muito grandes, este alimento pode ser desfiado ou liquidificado separadamente e depois acrescentado ao prato.

 

Os temperos devem ser leves e sempre naturais, podendo utilizar por exemplo: alho, cebola, azeite, cebolinha, salsinha, manjericão e coentro. O sal deve ser utilizado com bastante moderação, e o uso de temperos prontos como caldo de carne ou galinha, molho de soja, entre outros, não é recomendado.

A papa salgada deve ser cozida em pouca água, sendo que no final do cozimento praticamente toda a água deve ter sido evaporada, ou seja, os alimentos devem ser cozidos apenas em água suficiente para amaciá-los.

 

Pais vegetarianos ou veganos

 

Para pais vegetarianos ou veganos que pretendem estender esse costume aos pequenos, sugiro um cuidado e atenção especial. Alguns estudos apontam que crianças vegetarianas ou veganas podem ter seu crescimento e índice de massa corporal prejudicados. Porém, também existem estudos que não encontraram diferenças significantes no desenvolvimento de crianças com restrição de proteína animal, quando comparadas às crianças não vegetarianas.

 

É certo que a carne é a principal fonte de ferro em nossa alimentação, sendo uma importante aliada na prevenção da anemia ferropriva. Além disso, é também fonte de vitamina B12, esta fundamental ao sistema imunológico. Assim, é comum a necessidade de suplementação de ferro e vitamina B12, para bebês veganos ou vegetarianos.

 

Quando a família opta por uma alimentação vegetariana já no primeiro ano de vida da criança, devem garantir uma papa com boas fontes de proteína vegetal (como as leguminosas) para não prejudicar o bom desenvolvimento pôndero-estatural; além disso, é importante oferecer alimentos ricos em ferro (como o feijão e as verduras verdes escuras), e atentar para as calorias oferecidas, lembrando que os vegetais costumam ser menos calóricos. Também sugiro oferecer frutas cítricas como sobremesa, já que a vitamina C presente nestes alimentos facilita a absorção do ferro.

 

Procure respeitar a vontade e o apetite do pequeno, não insista mais do que três vezes e deixe que ele interaja com os alimentos. Caso a criança rejeite a papinha, não se deve oferecer outros alimentos como mamadeira, sucos ou biscoitos; quando eles estiverem com fome, tendem a aceitar a refeição. 

 

A formação do hábito alimentar da criança começa com a introdução da alimentação complementar. Assim, é preciso atenção e cuidados para garantir a melhor qualidade dos alimentos, para que no futuro nossas crianças sejam adultos saudáveis.

Maria Fernanda Naufel

Doutoranda em Nutrição pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/EPM (iniciado em 2014).

Título de Mestre em Pediatria pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/EPM (concluído em 2009).

Título de Especialista em Nutrição Pediátrica pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/EPM (concluído em 2005).

Carreira desenvolvida na área acadêmica e de nutrição clínica, com sólida experiência em nutrição infantil, nutrição clínica e nutrição em nefrologia.

Graduada em nutrição pela Pontifícia Universidade Católica – PUC-Campinas (concluído em 2004).

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,952FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!