test

Fortalecer o assoalho pélvico antes da gestação pode prevenir incontinência urinária

Apesar de causar grande desconforto e ser pouco falado entre as mulheres acima dos 40 anos, a perda involuntária da urina é mais comum do que se imagina. Segundo o estudo Brasil LUTS, 45,5% das mulheres têm incontinência urinária[1], que pode ser causada por diversos fatores, entre eles a idade e a gestação. A boa notícia é que a condição pode ser prevenida com um fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico – conjunto de músculos responsáveis por sustentar a bexiga, uretra e útero. Pensando nisso, o Dia Mundial da Incontinência Urinária, marcado em 14 de março, visa levar conhecimento sobre a condição, que apesar de afetar mais mulheres, também impacta a qualidade de vida dos homens especialmente depois dos 70 anos[2].

Experienciar escapes de urina ao tossir, espirrar, rir ou até se movimentar pode ser bastante desconfortável no dia a dia e não deve ser encarado como algo normal, independentemente da idade. Situações como essas podem indicar uma incontinência urinária por esforço, o tipo mais comum entre as mulheres, com 20,4% dos casos, aponta o estudo Brasil LUTS¹. Já a incontinência urinária por urgência, conhecida também como bexiga hiperativa, é caracterizada por uma vontade repentina de urinar e a incapacidade de conseguir controlar até chegar ao banheiro. Segundo o mesmo estudo, esse tipo afeta 14,9% das mulheres¹.

Vivenciar esses sintomas após a gestação é sinal de alerta. Isso porque durante a gravidez, os músculos do assoalho pélvico precisam sustentar o útero com o peso do bebê em formação. “Com o crescimento e encaixe do feto durante a gestação, o mecanismo de continência da mulher, bem como o esfíncter e a musculatura pélvica sofrem uma compressão, afetando a vascularização e a inervação da região e gerando lesão ou fraqueza da musculatura. Por isso, a gestação é considerada um fator de risco para incontinência urinária. Além disso, durante o parto vaginal pode haver uma lesão nas estruturas de continência e esfíncter, podendo gerar incontinência urinária no pós-parto”, explica Dr. Marcos Freire, urologista e gerente médico sênior de urologia na Astellas Farma Brasil.

Nesse sentido, a fisioterapia pélvica pode ser uma grande aliada como medida preventiva. “Nos casos de gestações planejadas é recomendado que a fisioterapia pélvica seja iniciada antes de engravidar e/ou durante a gestação. Dessa forma, o assoalho pélvico é fortalecido, ajudando a prevenir a incontinência urinária”, acrescenta Dr. Marcos.

Apesar de a gravidez ser uma das causas que podem levar as mulheres a terem incontinência urinária, obesidade e doenças que comprimem a bexiga também são fatores de risco, assim como a idade. A boa notícia é que tem tratamento. Hoje, existem diversos medicamentos com eficácia comprovada para casos de incontinência de urgência, especificamente. Em casos mais complexos, também é possível realizar procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos, de baixo risco e rápida recuperação².

O grande desafio da condição é o diagnóstico. Segundo o Brasil LUTS, 60% dessas pessoas nunca procuram um médico para a investigação¹. “Falar sobre os sintomas do trato urinário, como a incontinência está no topo da lista dos tópicos que geram maior desconforto entre as pessoas, principalmente, entre as mulheres. Essa vergonha e estigma que gira em torno da condição pode retardar a procura por um urologista para que seja feito o diagnóstico correto. Por isso, é importante saber que a incontinência urinária pode ser tratada, a fim de melhorar qualidade de vida, autoestima e bem-estar”, complementa o urologista.

Incontinência urinária não é comum apenas entre as mulheres

A condição também é prevalente em 14,7% dos homens, segundo o estudo Brasil LUTS¹. Isso se deve, em muitos casos, pelo aumento da próstata, denominado de hiperplasia prostática benigna (HPB), uma alteração comum que afeta a maioria dos homens com o passar dos anos. Por comprimir a uretra, o distúrbio pode atrapalhar a passagem da urina, fazendo com que haja dificuldade miccional, com jato mais fraco, sensação de esvaziamento incompleto, urgência para urinar e incontinência urinária. Por isso, homens acima dos 40 anos também não devem ter vergonha de ir regularmente ao urologista.

O estudo Brasil LUTS foi o primeiro grande estudo de base populacional realizado para avaliar sintomas do trato urinário inferior (LUTS) no Brasil, que tinha como objetivo avaliar a prevalência e o incômodo das LUTS na população com mais de 40 anos em cinco grandes cidades do Brasil: São Paulo, Porto Alegre, Recife, Belém e Goiânia. Ao todo, 5.184 pessoas foram entrevistadas por telefone, no período de 1 de setembro a 31 de dezembro de 2015. Dentre os participantes, 53% eram mulheres e a faixa etária com maior número de respondentes foi entre 50 a 59 anos, representando 34%.

[1] Wiley Online Library. The prevalence of lower urinary tract symptoms (LUTS) in Brazil: Results from the epidemiology of LUTS (Brazil LUTS) study. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/nau.23446. Acessado em 23 de fevereiro de 2022.

[2] Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) – Portal da Urologia. 6 perguntas sobre incontinência urinária. Disponível em: https://portaldaurologia.org.br/publico/faq/6-perguntas-sobre-incontinencia-urinaria/.

Participe do nosso Curso para Gestantes Somos Mães, turmas mensais, informações aqui.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!