Desafios maternos na primeira fase do desenvolvimento emocional

 Assumir o papel de ser mãe é uma das tarefas mais difíceis e mais gratificantes que a mulher pode exercer. Sou mãe de um adolescente de 14 anos e psicóloga de formação e pretendo nesta coluna, orientar e refletir sobre as dificuldades que as mães de primeira viagem sofrem ao longo da vivência de sua maternidade.

 

Vamos pensar no desenvolvimento dos nossos filhos. O ser humano, de forma geral, se desenvolve de forma bio + psico + social, ou seja, teremos desafios de ordem biológica (doenças e especificidades do crescimento), psicológica (formação da personalidade e desenvolvimento cognitivo) e o desenvolvimento social. A psicologia nos dá uma bagagem para refletirmos sobre os aspectos psicológicos e sociais e será nesta perspectiva que iremos seguir sempre passando referências à formação psicológica e social dos nossos pequenos.

 

Os estímulos que geram o desenvolvimento se iniciam na gestação e teremos, até o final da adolescência, o momento mais frutífero para crescimento psicológico e social. Iremos nos centrar nesta e nas próximas matérias sobre especificidades de cada uma das fases que a criança passará, até a adolescência.

 

A primeira fase do desenvolvimento emocional é conhecida na psicologia como fase oral, é o momento onde todo o universo simbólico da criança/bebê se dá pela oralidade, e a forma como a criança se comunica com o mundo é pela boca. Assim, quando ela está com fome chora, quando está com dor, chora, quando está suja, chora, dentre outras situações. A mãe tem a grande tarefa de aprender a decodificar as tonalidades do choro que a criança manifesta, ou seja, aprendemos a reconhecer o choro da fome, do sono, de manha e de dor. Nossos pequenos também sentem prazer na oralidade, pois quando está no peito da mãe, o bebê sente um enorme prazer e bem-estar, se sente protegido e amado. Uma autora chamada Melanie Klein descreve a importância para o desenvolvimento psicológico da criança, a mãe prover para o seu filho “um seio bom”, ou seja, seio bom é a qualidade afetiva que a mãe dispõe no ato da amamentação, que tem que ser prazeroso para a mãe e para o filho, com tranquilidade, carícias entre mãe e filho. A autora descreve que pessoas seguras e bem resolvidas emocionalmente vem de um “seio bom”, e obviamente há o contrário deste cenário. Não se preocupem as mães que não possuem leite ou possibilidade de amamentar, pois a afetividade pode estar presente mesmo usando a mamadeira. Temos ainda outras formas de satisfazer as necessidades orais, como a chupeta, a mamadeira (na ausência do leite materno) e os mordedores.

 

O que é importante lembrar é que o bebê vive em uma redoma de satisfações promovida pelos pais e familiares e que a fase oral tem que ser elaborada antes dos dois anos. Desta forma, mamadeiras, chupetas, mordedores e até mesmo o seio da mãe tem que ser substituídos gradativamente por outros utensílios e outros brinquedos sempre adequados para a sua faixa etária, para que a criança consiga ir para a próxima fase do desenvolvimento emocional com a idade cronológica compatível.

 

Mamães não devem sentir pena dos pequeninos quando precisarem retirar a mamadeira ou a chupeta, pois mesmo havendo um sofrimento por parte da criança, ela terá conseguido superar uma frustração e isso deixará seu emocional mais forte.

 

Paralelo a esse desenvolvimento vemos claramente o quanto o cognitivo da criança se desenvolve. O “cognitivo” se refere à capacidade que o cérebro da criança tem de aprender, e vemos nesta fase os pequeninos crescerem absurdamente, além de todo o processo de ganho de tônus muscular para ele poder andar, e falar. Percebemos, a cada dia, a conquista de certa autonomia.

 

Assim estimulem os pequenos com brinquedos coloridos, canções de ninar, toques corporais, massagens, brincadeiras, tentando evitar falar incorretamente com a criança e usar um excesso de diminutivos, que terão que ser abolidos depois, com certa.

 

Há ainda pesquisas que comprovam que a escuta de música clássica na gestação e nos primeiros meses do bebê, além de deixá-los mais calmos, estimulam o desenvolvimento de sua cognição.

 

Na próxima coluna, falarei sobre a próxima fase do desenvolvimento emocional dos nossos pequenos. Até!

Daniele Batagin

Graduada em psicologia e mestra pela PUCSP.

Atua em consultório próprio como psicóloga clínica em Campo Limpo Paulista, interior de São Paulo.

CRP 06/79756

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!