test

Outubro Rosa: é possível amamentar durante o tratamento de câncer?

Pediatra esclarece as principais dúvidas sobre aleitamento materno nessas circunstâncias

Outubro é o mês de conscientização sobre o câncer de mama, tipo que mais acomete mulheres em todo o mundo. Embora não seja tão comum, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) afirma que 3% dos diagnósticos são realizados durante a gravidez.

Com base nesse quadro, a dúvida que surge é: como fica a amamentação durante o tratamento?

De acordo com a Dra. Gabriella Maria Ramos Ávila, pediatra do Grupo Prontobaby, pacientes oncológicas que estejam realizando sessões de quimioterapia ou radioterapia não são aconselhadas a amamentar durante esse período, por conta do risco da medicação passar pelo leite e intoxicar o bebê.

“Como opção, o lactente pode receber fórmulas infantis adequadas a menores de seis meses ou um ano, a depender da faixa etária. A mulher pode ainda recorrer ao banco de leite na tentativa de alimentar o bebê com leite humano”, sugere a especialista.

A pediatra orienta que é preciso aguardar até que a medicação seja metabolizada pelo organismo, em tratamentos quimioterápicos e hormonioterápicos, para que o aleitamento seja seguro para o bebê.

“Depois do término da quimioterapia, o ideal é esperar de 60 a 90 dias, dependendo da droga utilizada. Mas, em geral, após a quimioterapia, a maioria das pacientes precisa dar continuidade com a hormonioterapia, que também impede a amamentação”, explica a médica Gabriella Maria Ramos Ávila. 

Quanto aos riscos de conter algum resíduo de remédio que impeça o bebê de ser amamentado, é importante destacar que determinadas mulheres que já foram diagnosticadas com câncer de mama e que estão em fase de segmento podem fazer o aleitamento sem risco, pois não há mais substâncias prejudiciais ao bebê.

“Pacientes que retiraram uma das mamas e têm a outra sem alteração também podem amamentar. Já em mulheres que fizeram a retirada parcial do seio, pode depender do tipo de cirurgia realizada e como a doença se manifestou. Se os dutos que levam o leite até o mamilo não tiverem sofrido alteração, ela pode ocorrer naturalmente”, explica a pediatra.

A amamentação aumenta a imunidade infantil por causa de anticorpos que evitam infecções virais e bacterianas, como diarreias e infecção de vias aéreas superiores. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a OMS preconizam o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e recomendam fortemente manter o aleitamento materno, mesmo após a introdução dos alimentos sólidos, até os dois anos.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!