test

Meu filho tem vitiligo, e agora?

25% dos casos de vitiligo acontecem antes dos 14 anos. As mães e os pais precisam ficar atentos às manchas que podem vir a aparecer nas crianças, elas surgem em qualquer lugar do corpo, sendo mais frequentes na face, pálpebras, mãos, regiões íntimas e pés”, pontua a dermatologista Daniela Antelo, doutora em Dermatologia (Fototerapia e Vitiligo), pela UFRJ, e diretora médica do Centro de Tratamento do Vitiligo.

A patologia voltou a ganhar relevância este ano quando a participante Natália entrou no Big Brother Brasil. Ela revelou que a doença começou com manchas nos olhos, pescoço e nuca, aos nove anos de idade. A dermatologista Daniela sinaliza que a falta de pigmentação se torna mais evidente após o verão, em crianças com pele clara, pois as mesmas ficam bronzeadas e as manchas nítidas. 

Ao notarem alguma mudança de cor, os pais devem marcar consulta com o dermatologista. “É importante tratar a questão o quanto antes. Além de aumentar a probabilidade de sucesso no tratamento, a descoberta do quadro precoce pode interromper o avanço da doença. A fototerapia com UVB de banda estreita e corticoides orais ajuda a evitar a progressão”, indica a diretora do Centro de Tratamento do Vitiligo.

Por ser uma enfermidade autoimune que leva ao desaparecimento de células denominadas melanócitos, que produzem a melanina da pele, o vitiligo ainda é muito estigmatizado, apesar das áreas afetadas não apresentarem incômodo ou dor. Uma das maiores preocupações nos consultórios é sobre como fica a questão emocional e psicológica nessas situações, principalmente quando o paciente afetado é criança ou adolescente.

“Sabemos que casos de bullying podem vir a acontecer principalmente nessa fase. A orientação, sempre, é encarar a situação com calma e buscar, na medida do possível, o apoio e parceria da escola. O vitiligo não pode ser um tabu, nem em casa, nem na instituição de ensino. Se a situação for mais complexa, pode ser indicada a psicoterapia individual para as crianças e também para os pais”, explica a dermatologista.

É comum que os adultos fiquem desestabilizados com o aparecimento do vitiligo nos filhos. “A verdade é que é mais comum o desespero deles do que dos pequenos. O investimento narcísico dos pais fica gravemente abalado”, comenta.

Sabe-se que mais de 50% dos casos surgem até os 20 anos de idade. A prevalência de vitiligo, na população, em geral, é de até 2%, e no Brasil, 0.5%.

Daniela Antelo: Dermatologista do Centro de Tratamento do Vitiligo. Formada em Medicina, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e com Residência Médica em Dermatologia, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Dedica-se ao estudo desta doença desde 2003, quando iniciou sua dissertação sobre o tema. Concluiu Mestrado e Doutorado sobre Fototerapia e Vitiligo, na UFRJ. Tem diversos trabalhos apresentados sobre vitiligo em Congressos Dermatológicos e publicados na literatura médica. Professora Adjunta de Dermatologia da UERJ e atualmente membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da American Academy of Dermatology (AAD). Associada a Global Vitiligo Foundation.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!