test

Lúpus e a gravidez: planejamento e cuidados

Sabemos que a gestação é um momento de muitas exigências e proibições para as mulheres. Mas como fica a gravidez para aquelas que sofrem com o Lúpus Eritematoso Sistêmico? De acordo com o médico reumatologista da Imuno Brasil, Dr. Ricardo Amaro Noleto Araujo, a palavra-chave é planejamento e ele explica quais as principais precauções e cuidados que médico e paciente devem ter nesse momento.

É pouco provável que o Lúpus apresente riscos à vida da mamãe ou do bebê durante a gestação, no entanto, é necessário considerar os seguintes aspectos:

Planejamento: É recomendável que a paciente com Lúpus faça um planejamento para engravidar, pois o ideal é que a doença esteja em fase de remissão há pelo menos 6 meses para que ela possa engravidar e passar pelo período gestacional com mais tranquilidade. Esta fase é alcançada por meio do tratamento adequado, controle dos sintomas e exames laboratoriais que avaliam a atividade de doença. É importante ressaltar que se a gestante possui outra comorbidade associada como Hipertensão Arterial, Hipotireoidismo e Diabetes, estas doenças também devem estar controladas para uma gestação segura, sendo muito importante nesses casos a acompanhamento multidisciplinar.

Medicamentos: Outra preocupação das gestantes é quanto à programação do tratamento medicamentoso: “durante a gestação, é possível que a paciente com Lúpus tenha que modificar sua medicação em uso”, explica o Dr. Ricardo Amaro Noleto Araujo. O tratamento deve ser adaptado às necessidades de cada paciente, de modo a escolher o medicamento certo para tratar a mãe, sem prejudicar o bebê. 

A maioria dos imunossupressores está contraindicada durante a gestação, o que dificulta a abordagem terapêutica quando a doença está em atividade durante a gestação. Em geral o uso de medicações da classe dos antimaláricos como a hidroxicloroquina é bem tolerado, tem um menor perfil de efeitos colaterais do que qualquer outro medicamento disponível para o tratamento do LES, sendo recomendado durante toda a gestação como forma de manter a doença controlada e fora de atividade. Outras medicações como metotrexato, micofenolato, ciclosporina devem ser modificadas em razão do perfil de efeitos colaterais e riscos à saúde do feto. Alguns casos podem requerer o uso de corticoide para controle da doença durante a gestação, sendo a dose e o tempo de uso definido de acordo com cada manifestação.

Riscos: Entre as complicações que podem ocorrer durante a gestação de pacientes com lúpus estão o lúpus neonatal, que pode afetar o bebê de diferentes formas e gravidade, tais como manifestações cutâneas que se desenvolvem entre os 3 primeiros meses do nascimento, até situações mais graves, como hemocitopenias (anemia hemolítica, leucopenia e plaquetopenia), manifestações hepatobiliares ou cardiopatias, estas últimas que podem ser fatais. Importante ressaltar a necessidade de realizar pesquisa de alguns anticorpos que podem ter uma maior morbidade gestacional entre as pacientes com Lúpus, o bloqueio cardíaco congênito, pode ocorrer em até 2% das crianças nascidas de mães com anticorpos anti-Ro/SSA e anti-La/SSB positivos, apresentando taxa de recorrência de 12-20%

Nestes casos “O diagnóstico intrauterino precoce é essencial para o tratamento e é recomendada a realização de ecocardiograma entre 16ª a 25ª semanas de gestação, período de maior passagem transplacentária de anticorpos maternos e maior risco de alteração do sistema de condução cardíaco do feto”.

A gestação pode ainda desencadear outras manifestações ou agravar certos aspectos da doença. A nefrite lúpica, por exemplo, ocorre quando o Lúpus ataca os rins. A condição, caracterizada como um desafio clínico, pode acontecer no pós-parto ou já ser pré-existente, por isso a importância do planejamento da gravidez. A nefrite ativa leva a um maior risco de abortamento e complicações durante a gestação, sendo de suma importância o tratamento prévio.

Já a Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide (SAF) é considerada mais perigosa, pois se caracteriza pela existência de tromboses venosas e arteriais na presença de anticorpos antifosfolipides, acarretando em taxas elevadas de gravidade durante a gravidez. Esta condição pode acarretar problemas para crescimento do feto e até complicações importantes como Eclâmpsia. Importante o reconhecimento desta síndrome no pré-natal para instituir tratamentos que reduzam estes riscos.

Ressaltamos a necessidade da individualização do tratamento e exames para cada gestante, é sempre indicado que a mesma seja acompanhada por uma equipe multidisciplinar, incluindo o reumatologista e o obstetra. Um melhor desfecho ocorre quando as decisões são tomadas de maneira compartilhada e de forma alinhada entre as equipes.

Sobre o Dr Ricardo Amaro Noleto Araujo: Medico Reumatologista com formação pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP – Escola Paulista de Medicina), atualmente Professor e Pesquisador em Doenças Autoimunes na Faculdade Santa Marcelina, Mestrado em Vasculites pela UNIFESP.

Participe do Curso para Gestantes Somos Mães, mais informações aqui.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!