Dor de cabeça na gravidez: pode tomar remédio?

A dor de cabeça é comum na gravidez, o que precisa ser avaliado é forma de amenizar esse incômodo. Por conta da gestação, a mulher acaba não sabendo lidar com a cefaleia. “Pode tomar dipirona?” “O que faço para amenizar a dores?” “Preciso ir no médico?”. Essas são as dúvidas mais comuns. 

 
A obstetra Alyk Vargas esclarece: “É comum, sim, a gestante apresentar quadros de cefaleia durante a gravidez, principalmente as pacientes que já apresentam fora do período gestacional quadros de enxaquecas. Porém, pacientes que nunca apresentaram dor de cabeça podem também apresentar esse sintoma durante a gravidez, principalmente no primeiro trimestre”.  
 
Há dois tipos de dores de cabeça na gestação: a tensional e a enxaqueca. E há uma forma de você diferenciar as duas, como a médica explica: “A cefaleia tensional tem uma apresentação solitária, ou seja, não é acompanhada de nenhum outro sintoma, diferente da enxaqueca, que pode apresentar junto quadros de enjoos e até em alguns casos vômitos, intolerância a ambientes muito iluminados ou barulhentos, piora quando a paciente olha para luz ou se movimenta bruscamente, pode ser acompanhada da chamada ‘aura’, ou seja, 
antes de iniciar a dor a paciente apresenta sintomas visuais ou sensitivos”.
 
Geralmente, as gestantes costumam reclamar bastante de dores de cabeça no primeiro trimestre de gravidez, no segundo essa dor normalmente é mais amena. Segundo a doutora Alyk,  tudo isso depende de uma série de coisas que pode influir diretamente no aparecimento da cefaleia, os hábitos alimentares e o estilo de vida podem ser os fatores com maior peso nos casos em que a dor não tem uma melhora significativa, mesmo com o tratamento sendo feito: “A mudança de hábitos,a prática de exercício físico, preservar o sono, evitar alimentos ‘gatilhos’, com a cafeína e o chocolate, e medidas de manejo de estresse são fatores essenciais para o tratamento e a prevenção da dor de cabeça, independente de sua causa”, complementa. 
 
A maior dúvida de todas é se pode se medicar sozinha nesse caso. O indicado pelos médicos é sempre procurar um especialista antes de ingerir qualquer medicação, mesmo aquelas que você costumava tomar antes de engravidar. Lembre-se que você tem uma vidinha dentro da sua barriga que precisa ser respeitada e cuidada. A obstetra alerta para a importância do acompanhamento médico antes de tomar qualquer medicação: “Pode, sim, tomar medicações para o alívio da dor durante a gestação sempre com supervisão médica, mas o ideal seria tentar passar o primeiro trimestre com mudança de hábitos”. 
 
O tratamento é feito com remédios que costumamos tomar normalmente, porém, a dose precisa ser definida por um especialista. “Durante a gravidez temos analgésicos, como o paracetamol e a dipirona, que devem ser prescritos pelo seu médico para doses terapêuticas seguras, que não causam alterações no bem estar fetal”, alerta a doutora. 
 
Mas se a sua dor não passar com a medicação indicada pelo seu médico, você poderá tomar outros remédios mais fortes para aliviar essa dor: “Dependendo da intensidade dos sintomas e no agravo à saúde da gestante podemos usar analgésicos mais potentes, sob supervisão médica como o tramadol, por exemplo”, enfatiza a obstetra. 
 
A dipirona é um dos remédios mais consumidos para amenizar algumas dores, principalmente a dor de cabeça. Porém, muitas mulheres ficam com medo dessa medicação ser abortiva. A doutora Alyk ressalta que a gestante precisa se consultar com o médico antes de iniciar qualquer tratamento com medicação, e no caso do uso de remédios ditos como “comuns”, essa recomendação não é diferente. “A dipirona em uso controlado e prescrito pelo médico não é abortiva”, alerta. 
 
De acordo com a obstetra, ainda assim o uso abusivo da dipirona pode causar problemas no desenvolvimento fetal: “Existem trabalhos que mostram que o uso abusivo da dipirona, principalmente no terceiro trimestre da gravidez pode provocar o fechamento prematuro do ducto arterial (vaso que conecta a artéria do pulmão do bebê a aorta – pode causar morte fetal) e alterações na gestante e no bebê”, finaliza. 
 
Nada de sair se medicando como você fazia antes de engravidar, viu, mamãe?! O melhor a se fazer é consultar o seu médico e juntos definirem um tratamento adequado para amenizar qualquer incômodo, neste caso, a dorzinha de cabeça. Não se esqueça também que mudar os seus hábitos alimentares, fazer atividades físicas, dormir bem e até tentar tratamentos alternativos, como a acupuntura, que podem ajudar a curar as suas dores de cabeça.
A dor de cabeça é comum na gravidez, o que precisa ser avaliado é forma de amenizar esse incômodo. Por conta da gestação, a mulher acaba não sabendo lidar com a cefaleia. “Pode tomar dipirona?” “O que faço para amenizar a dores?” “Preciso ir no médico?”. Essas são as dúvidas mais comuns. 
 
A obstetra Alyk Vargas esclarece: “É comum, sim, a gestante apresentar quadros de cefaleia durante a gravidez, principalmente as pacientes que já apresentam fora do período gestacional quadros de enxaquecas. Porém, pacientes que nunca apresentaram dor de cabeça podem também apresentar esse sintoma durante a gravidez, principalmente no primeiro trimestre”.  
 
Há dois tipos de dores de cabeça na gestação: a tensional e a enxaqueca. E há uma forma de você diferenciar as duas, como a médica explica: “A cefaleia tensional tem uma apresentação solitária, ou seja, não é acompanhada de nenhum outro sintoma, diferente da enxaqueca, que pode apresentar junto quadros de enjoos e até em alguns casos vômitos, intolerância a ambientes muito iluminados ou barulhentos, piora quando a paciente olha para luz ou se movimenta bruscamente, pode ser acompanhada da chamada ‘aura’, ou seja, 
antes de iniciar a dor a paciente apresenta sintomas visuais ou sensitivos”.
 
Geralmente, as gestantes costumam reclamar bastante de dores de cabeça no primeiro trimestre de gravidez, no segundo essa dor normalmente é mais amena. Segundo a doutora Alyk,  tudo isso depende de uma série de coisas que pode influir diretamente no aparecimento da cefaleia, os hábitos alimentares e o estilo de vida podem ser os fatores com maior peso nos casos em que a dor não tem uma melhora significativa, mesmo com o tratamento sendo feito: “A mudança de hábitos,a prática de exercício físico, preservar o sono, evitar alimentos ‘gatilhos’, com a cafeína e o chocolate, e medidas de manejo de estresse são fatores essenciais para o tratamento e a prevenção da dor de cabeça, independente de sua causa”, complementa. 
 
A maior dúvida de todas é se pode se medicar sozinha nesse caso. O indicado pelos médicos é sempre procurar um especialista antes de ingerir qualquer medicação, mesmo aquelas que você costumava tomar antes de engravidar. Lembre-se que você tem uma vidinha dentro da sua barriga que precisa ser respeitada e cuidada. A obstetra alerta para a importância do acompanhamento médico antes de tomar qualquer medicação: “Pode, sim, tomar medicações para o alívio da dor durante a gestação sempre com supervisão médica, mas o ideal seria tentar passar o primeiro trimestre com mudança de hábitos”. 
 
O tratamento é feito com remédios que costumamos tomar normalmente, porém, a dose precisa ser definida por um especialista. “Durante a gravidez temos analgésicos, como o paracetamol e a dipirona, que devem ser prescritos pelo seu médico para doses terapêuticas seguras, que não causam alterações no bem estar fetal”, alerta a doutora. 
 
Mas se a sua dor não passar com a medicação indicada pelo seu médico, você poderá tomar outros remédios mais fortes para aliviar essa dor: “Dependendo da intensidade dos sintomas e no agravo à saúde da gestante podemos usar analgésicos mais potentes, sob supervisão médica como o tramadol, por exemplo”, enfatiza a obstetra. 
 
A dipirona é um dos remédios mais consumidos para amenizar algumas dores, principalmente a dor de cabeça. Porém, muitas mulheres ficam com medo dessa medicação ser abortiva. A doutora Alyk ressalta que a gestante precisa se consultar com o médico antes de iniciar qualquer tratamento com medicação, e no caso do uso de remédios ditos como “comuns”, essa recomendação não é diferente. “A dipirona em uso controlado e prescrito pelo médico não é abortiva”, alerta. 
 
De acordo com a obstetra, ainda assim o uso abusivo da dipirona pode causar problemas no desenvolvimento fetal: “Existem trabalhos que mostram que o uso abusivo da dipirona, principalmente no terceiro trimestre da gravidez pode provocar o fechamento prematuro do ducto arterial (vaso que conecta a artéria do pulmão do bebê a aorta – pode causar morte fetal) e alterações na gestante e no bebê”, finaliza. 
 
Nada de sair se medicando como você fazia antes de engravidar, viu, mamãe?! O melhor a se fazer é consultar o seu médico e juntos definirem um tratamento adequado para amenizar qualquer incômodo, neste caso, a dorzinha de cabeça. Não se esqueça também que mudar os seus hábitos alimentares, fazer atividades físicas, dormir bem e até tentar tratamentos alternativos, como a acupuntura, que podem ajudar a curar as suas dores de cabeça.
Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!