Déficit de atenção e hiperatividade

Dr. Saul Cypel é considerado um dos maiores especialistas em neurologia infantil de todo o país. É Profº Dr. pela Faculdade de Medicina da USP, membro do Comitê de Especialistas e de Mobilização Social do Ministério da Saúde para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância. É o autor do livro Déficit de Atenção e Hiperatividade e as Funções Executivas, publicado pela Editora Casa Leitura Médica.. E nós tivemos a oportunidade de conversar com ele sobre hiperativade e deficit de atenção.

 

SMPV: Dr. Cypel, quando os pais devem começar a se preocupar com o comportamento dos filhos?

 

Acho que a preocupação com o comportamento da criança, a rigor, deve iniciar quando os pais começam a pensar em ter filhos. Depois do pré-natal, a principal preocupação é de como vão lidar com a criança. As questões comportamentais, a observação do comportamento, seja do ponto de vista da normalidade ou das alterações, começa com a vida da criança, não existe um momento específico para isso. Claro que é difícil, em termos de questões comportamentais, ter uma noção do padrão normal. Por exemplo,  na questão da hiperatividade, quando a criança tem uma atividade motora mais intensa ou menos intensa? É mais quieta? Qual é o normal disso? É diferente de pensar na febre, você tem um termômetro para medir, já com o comportamento não existe isso, depende da observação dos pais. Portanto, os pais precisam ter uma noção de como se dá o comportamento, como ele se estrutura e funciona. Para os pais terem uma ideia de padrão alterado, precisa ter uma ideia do padrão normal. Como você vai julgar se uma coisa está alterada, se você não sabe o padrão normal? Então é fundamental que os pais se apropriem desse tipo de informação.

 

SMPV: Onde os pais podem buscar essas informações de maneira confiável?

 

As pessoas, para julgar, precisam ter uma noção da normalidade. E quem são os profissionais aptos e disponíveis nesses primeiros anos? Boa parte das vezes é o médico pediatra e ele também precisa ter conhecimento do comportamento infantil, que é bem diferente do conhecimento da saúde física. O pediatra precisa conhecer como se dá o desenvolvimento motor, em que época a criança já deve firmar a cabeça, quando deve começar a sentar, andar. Uma criança que com dois anos não está andando, e você sabe que até um ano e meio ela deveria andar, merece atenção. Isso vale para outros comportamentos também. E a informação pediátrica precisa ser muito clara, por exemplo, com relação ao desenvolvimento de linguagem. É muito importante saber quando é que a criança deve começar a falar, como se dá o processo, para você poder julgar esse comportamento e ter uma noção do que é normal, ou do que está saindo da curva. É preciso leitura, é preciso informação, interesse. Alguns pais são mais sensíveis e conseguem perceber por conta própria que alguma coisa tá fora do padrão, por exemplo, “meu filho tem seis anos e acorda de seis a oito vezes na madrugada e alguém sempre tem que atender, pegar no colo”. Eles podem ler e se informar, mas certamente tem noção de que aquilo está fora do padrão. Uma coisa é esse comportamento ser pontual, outra é ser rotineiro. Além disso, se os pais tiverem que lidar sempre com esse tipo de situação, de toda noite acordar oito vezes, vão ficar esgotados. Então, é preciso que os pais de alguma forma não deixem de observar e não deixem de tomar alguma providência quando algum comportamento está chamando atenção. Onde eles vão buscar informação? Com o pediatra, observando as outras crianças, conversando com outras mães, lendo.

 

SMPV: Quando um pai e uma mãe devem começar a se preocupar com a possibilidade do filho ter deficit de atenção e hiperatividade?

 

90% dos pais me procuram quando os filhos apresentam problemas comportamentais, não por doenças neurológicas. O período de frequência maior é até os seis, sete anos. Depois também, mas a maioria vem nessa idade mais baixa preocupadas com o comportamento. As que vem com sete, oito anos, estão preocupadas com a escolaridade. Elas vem preocupadas com a escola, sem entender que a escola é só uma fatia daquela criança.  Eu digo para eles que a minha preocupação é com a escolaridade também, mas minha preocupação principal é com o filho como pessoa. Lá pelas tantas essa criança vai ter dificuldade de socialização, vai entrar numa brincadeira, a turma toda tem dez anos, ele tem uma estrutura de sete e não vai acompanhar aquele que chutou a bola pro gol porque está olhando para as árvores. A turma vai rejeitar, será o último a ser escolhido nas brincadeiras, porque ele sai do contexto. E vão dizer que é porque ele tem dificuldade de atenção, mas não é verdade. Ele tem dificuldade mesmo é de entrar na brincadeira com a maturidade que a brincadeira está exigindo. São crianças que explicitam: “olha, eu não quero crescer”. Esse tipo de situação que eu coloquei aqui é a base da estruturação dos comportamentos futuros. Ou se estabelece bem esse processo nos primeiros três anos de vida (para o comportamento é a fase mais importante do desenvolvimento, pois é básica, é a época em que você faz bem o alicerce para depois poder levantar as paredes e colocar o telhado) ou é certeza de problema. A maioria das crianças não tem dificuldade atencional, pois para as atividades que lhes interessam elas tem boa atenção.

 

SMPV: Ok, os pais percebem que o problema do filho é comportamental e não neurológico. O que fazer, então?

 

Eu sempre digo aos pais que eles devem se cuidar, tratar primeiramente deles, pois o problema é estrutural, da família. Embora na essência humana nós sejamos iguais há dezenas de séculos, o ambiente foi se modificando e afetou a vivência das relações. Mas como orientar o pai e a mãe? É um trabalho árduo, como chegar numa população inteira? Acho que essa é uma busca de estratégia muito trabalhosa. Eu fiz um amplo trabalho como coordenador na Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, foi muito tempo lá criando estratégias para atingir o maior número de pessoas, até hoje a fundação segue com esse projeto. Nas maiores cidades do país o Governo do Estado e a Prefeitura disponibilizam ações para promover a informação e o direcionamento. 

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,952FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!