De Peito Aberto

Quem nos acompanha já sabe que defendemos o aleitamento materno, por isso, não poderíamos deixar de divulgar um projeto como o De Peito Aberto, filme documentário sobre amamentação, que será lançado em 2017. 

 

Além de mostrar a situação da amamentação no Brasil com depoimentos de especialistas, De Peito Aberto também está acompanhando mulheres desde o início do aleitamento até os seis meses. 

 

Conversamos com a idealizadora do documentário Graziela Mantoanelli sobre o projeto e a amamentação. 

 

SMPV – Como surgiu a vontade de fazer o documentário? 
Graziela – Durante o primeiro ano amamentando minha filha passei por inúmeras dificuldades, das mais banais às mais complexas. Tive sorte, pois encontrei pessoas que apoiavam o aleitamento e me auxiliaram a construir uma história de sucesso. A pergunta que mais vinha em minha cabeça era: “por que ninguém fala sobre essas coisas?” E o sentimento depois era: “não quero que ninguém mais passe por isso”. Tanto que em vez de dar presente de chá de bebê, passei a dar para minhas amigas uma consultoria em aleitamento depois do nascimento. Hoje em dia o sentimento que fica é:  “se eu não tivesse encontrado a pessoa certa eu estaria entre as estatísticas de desmane precoce”.  Com essas questões me permeando fui convidada a produzir um documentário sobre alimentação, chamado “Comer o quê?” (que acabamos de lançar). Durante todo o processo de filmagem, foi reforçando em mim a ideia de que a alimentação sem consciência iniciava muito precocemente. Daí para decidir fazer um documentário sobre aleitamento foi um pulo.
Comecei a pesquisar filmes sobre amamentação e vi que a maioria pendia para um olhar técnico informativo. O desejo era passar informação de qualidade e também criar uma identificação, tocar na sensibilidade e na alma de cada mulher, criar imagens reais, para que mães de todo o Brasil possam se sentir representadas. Queremos informar, contar histórias, levantar questões, fomentar a discussão e o mais importante: tocar as pessoas.
Fui escolhendo as pessoas a dedo e apresentando o projeto que teve 100% de adesão. Formei uma equipe muito engajada, que está dedicando seu tempo e coração ao projeto desde de dezembro de 2014 no projeto.

 
Quais são os objetivos?
Queremos auxiliar na batalha contra o desmame precoce, engajar mais e mais pessoas a cuidar da nossa próxima geração, auxiliando um início de vida mais natural, saudável e humanizada. O filme busca influenciar positivamente na prática da amamentação, com informação útil e de qualidade. Queremos valorizar as mulheres que se dedicam a amamentar seus filhos, enfrentando preconceitos, falta de estrutura e de políticas públicas voltadas para o tema. Pretendemos fomentar e fortalecer as redes de mães de todo o país, com um instrumento de busca de melhores condições para o exercício da amamentação, além de capacitar mulheres em período de amamentação a enfrentar as dificuldades do amamentar, com dicas, métodos e práticas de comprovado sucesso. Por fim, queremos estimular a criação de políticas públicas nas áreas da saúde, do trabalho, da educação e da assistência social a lidar com o tema de maneira mais avançada.

A amamentação é romantizada, assim como a maternidade no geral, muitas pessoas têm a ideia de que é simples e fácil, mas nem sempre é assim. Como passar por esse momento? Alguma dica para as mães de primeira viagem?
O melhor remédio para isso tudo é a informação de qualidade, a partir de fontes confiáveis. Infelizmente os profissionais de saúde não recebem formação adequada e atualizada para lidar com o aleitamento e isso gera insegurança nas mães. A propaganda enganosa dos leites artificiais vende uma ideia equivocada de que é possível substituir o leite materno. É sempre bom ter uma alternativa caso exista algum problema grave que impeça a mãe de amamentar, mas isso acabou se tornando primeira opção para muitas mães desavisadas. Outro ponto importante é constituir ou integrar uma rede de apoio com outras mães, trocando informações e percepções sobre o processo de aleitamento e o desafio do puerpério como um todo. Se puder procurar uma consultoria de amamentação, isso pode ser um bom caminho. Se não puder, procurar o banco de leite, que é uma política pública que realmente funciona no Brasil. 

 
Muitas mães são julgadas por escolherem amamentar até dois anos ou mais, a amamentação em público, às vezes, ainda pode ser um tabu. Como você enxerga essas situações e como mudar?
Isso é reflexo de atraso, preconceito e má informação. O remédio para isso é conscientização, articulação e pressão das mulheres e iniciativas de valorização da mulher. O Brasil está em um caminho assustador de retrocesso com as atuais propostas voltadas para o direito da mulher. Mas também despertou um novo ânimo por parte das mulheres, que estão se organizando e unindo forças para enfrentar e defender seus direitos.

 

Para saber mais sobre o projeto, acesse o site: https://www.depeitoaberto.net/

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,991FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!