Bullying

O que essa agressão pode causar à vida da criança?

 

Bullying é uma forma de agressão verbal ou física repetitivas contra uma ou mais pessoas. A palavra bullying tem origem inglesa e significa valentão em tradução livre. Esse tipo de agressão é muito comum em ambientes escolares onde um aluno ou grupo começam a humilhar, ofender e em alguns casos a agredir fisicamente pessoas que são alvos de sua escolha.

 

Há duas categorias em que podemos dividir o bullying: a direta e a indireta. O bullying direto geralmente é praticado por meninos e o indireto é mais disseminado por meninas e crianças. O indireto tem como característica forte o isolamento da vítima das agressões.

 

Mas como diferenciar o bullying de uma brincadeira? A psicoterapeuta junguiana Paloma Vilhena nos explicou como podemos fazer essa distinção: “O bullying é agredir ou humilhar, verbalmente ou fisicamente, de forma intencional e constante. É diferente de uma brincadeira, onde o outro ri com você e não de você, provocando constrangimento. Brincadeira é para ser divertido, o bullying não é uma piada e provoca sofrimento.”.

 

O perfil do agressor apresenta alguns pontos, como estrutura familiar desestruturada e pouca empatia. O seu alvo costuma ser pessoas pouco sociáveis, vulneráveis a sofrerem esse tipo de ataque sem revidar e com insegurança mais aflorada.

 

Esse tipo de agressão pode ocorrer em qualquer ambiente social, seja na escola, faculdade, trabalho, família ou até vizinhança. E nas escolas é ainda mais comum ter situações como essa. É caracterizado como bullying, o simples ato de colocar um apelidinho que ressalta alguma característica física do amigo.

 

As vítimas do bullying são a maior preocupação nessa situação toda, pois sempre se calam e se isolam. Algumas pessoas chegam a apresentar quadros de medo e ansiedade. Um adulto que sofreu esse tipo de humilhação na infância pode passar a fase adulta com baixa autoestima e sentimentos negativos, além disso, as relações futuras também podem ser afetadas. “As crianças muitas vezes não conseguem expressar verbalmente o que está acontecendo, ou tem medo e vergonha de falar para os adultos, mas sempre dão sinais de quando algo não está bem. Crianças que sofrem bullying podem recusar-se a ir para a escola, apresentarem medo ou ansiedade, queda no rendimento escolar, dificuldade para dormir, isolamento e até problemas de saúde. De forma geral, a criança age de forma diferente do que costuma agir.”, explica Paloma.

 

O diálogo dentro de casa é sempre importante e quando se trata de crianças que sofrem esse tipo de agressão é essencial: “Converse com o seu filho(a), pontue as mudanças de comportamento dele(a) e a sua preocupação. Fale e ouça de forma afetiva e deixe claro que quer ajudá-lo. Nos casos de bullying, é importante que os pais tomem uma atitude em conjunto com a escola ou outros pais, e sem fazer acusações.”, conclui Paloma.

 

Medidas precisam ser tomadas junto a escola também, para que o bem-estar de todos seja preservado: “Entenda o que aconteceu e ouça o máximo de pessoas possíveis. Pergunte quais são as estratégias que a escola utiliza nessas situações. Os pais e a escola devem se unir pelo bem-estar das crianças envolvidas e pensar junto em como aproveitar essas situações para o aprendizado. Nem sempre o seu filho sofreu as agressões, ele pode ser a criança que testemunhou ou que praticou o bullying. Em todos os casos, é necessária uma intervenção, pois todos são afetados. Se necessário, procure ajuda de um(a) psicólogo(a) que pode atender a criança e/ou orientar os pais ou a escola.”, explica a psicoterapeuta.

 

Paloma alerta os pais sobre as atitudes que deverão ser tomadas a partir do momento que eles identificam que o filho está sofrendo bullying: “Mantenha sempre uma abertura para o diálogo com seus filhos. É comum a criança contar aos pais e estes perguntarem o que o filho fez para acontecer isso. Essa é uma atitude que fecha o diálogo, e atribui a culpa à criança que sofreu o bullying. Escute o seu filho sem julgá-lo, fale que ele não está sozinho e que você vai ajudá-lo nessa situação.”. Se colocar no lugar do seu filho que está lidando com essa situação é muito importante e não julgá-lo, já que não é culpa dele. De acordo com a especialista, para nós, adultos, pode parecer bobagem, mas com certeza, o sentimento dos nossos filhos é muito importante e deve ser legitimado.

 

A orientação não é só para quem sofre a agressão, é importante os pais educarem os filhos para que eles não se tornem agressores. A reflexão sobre a educação que a criança recebe dentro de casa é sempre muito importante: “É necessário fazer um trabalho preventivo com as crianças, ensinando desde pequenos que o que fazemos afeta as outras pessoas e que todos merecem respeito. Aproveite para refletir sobre o tipo de educação que você oferece em casa. Você quer que ele (a) aprenda a se defender devolvendo na mesma moeda? Quais exemplos ele (a) tem em casa sobre resolução de conflitos? Existe espaço para o diálogo na sua família?”, conclui Paloma.

 

Em estudos recentes sobre o bullying no Brasil constatou que esse tipo de agressão é comum entre alunos de 5ª e 6ª série. E as cidades com mais incidência desse tipo de situação é Brasília, Belo Horizonte e Curitiba. O bullying é muito presente e pode sim estar perto de nós, então, fiquemos atentos para que não afete nossos filhos.

Artigo anteriorAnestesia em bebês
Próximo artigoAlienação Parental
Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,970FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!