“As crianças não precisam de mães perfeitas, porque elas não existem” diz Laura Gutman em palestra

No sábado, 21 de maio, aconteceu a palestra exclusiva da psicoterapeuta Laura Gutman organizada pelo Somos Mães de Primeira Viagem. Nesse período foram abordados uma série de temas sobre o universo materno, como afeto, dedicação, vida a dois, as consequências de uma boa relação entre mãe e bebê, além da biografia humana, técnica da terapeuta.

 

Laura ressaltou durante toda a palestra a importância do amor entre mãe e bebê, que traz uma série de benefícios para a vida da criança no futuro. Já no início, Laura perguntou o que as mães queriam ouvir e pediu para que víssemos tudo com outro olhar: “Assista a palestra do ponto de vista da menina e menino que fomos.”.

 

Tudo foi pautado por uma situação em que Laura colocou a mãe e o bebê dentro de um tanque onde eles compartilhavam cuidados e afeto, e ela se referiu a essa relação como fusão: “A fusão emocional é maravilhosa! A única coisa que precisamos entender é que não podemos ter medo.”.

 

 A relação de afeto entre mãe e bebê é crucial para um crescimento saudável e uma fase adulta mais tranquila: “Nascemos imaturos, absolutamente carentes de cuidados maternos”, explicou Laura. E a mãe precisa se entregar de corpo e alma para essa nova experiência: “A criança para desenvolver a capacidade de amar precisa ter sido amada.”, completou.

 

Quando perguntada sobre as mães que colocam sobre o filho uma camada extra de superproteção, Laura foi incisiva: “O amor em excesso pode ser abuso.”. Ela ainda afirmou que uma hora as crianças precisam se distanciar das bolhas que são colocadas pelos pais e brincar, conhecer novas atividades e ter novas experiências. E que o momento certo para isso acontecer é o filho quem decide: “A criança é quem escolhe a hora de se separar e isso pode acontecer de forma lenta e progressiva.”.

 

Além disso, a psicoterapeuta explicou a importância de fazer a biografia humana, que segundo ela, pode ajudar mães a encontrar respostas para determinadas crises ou situações. “A biografia humana é uma forma de abordar o universo de cada indivíduo.”, afirmou.

 

Laura ressaltou várias vezes a importância de se investigar o que aconteceu na infância da mãe através da biografia humana: “Uma crise é a oportunidade para se encontrar consigo mesmo”. A escolha mais coerente para a mãe é procurar entender o que está faltando e assim tentar corrigir as crises. 

 

Mães que viveram infâncias conturbadas e com lares repletos de relações conflituosas podem crescer com uma espécie de casca. E, nesse caso, o amor se torna algo intolerável: “A única coisa que a mãe vai fazer é se salvar o tempo todo da própria infância”. E ainda afirmou que o instinto materno não está no “querer ser mãe” e que ele nasce junto com a criança: “O instinto materno aparece quando nasce a criança em boas condições, não está no querer ser mães.”.

 

E uma criança que cresce em um ambiente conturbado, cheio de conflitos pode distorcer a visão dela sobre as relações na fase adulta: “Se durante a infância o meu âmbito de amor vinha com conflitos, por causa disso eu vou crescer e vivenciar relações cheias de crises. Pois, se não há conflito, não há amor.”.

 

Laura o tempo todo citou o seu livro A Maternidade e o Encontro Com a Própria Sombra: “Junto com o parto, nasce a sombra que a mãe herdou”. No livro ela defende que a maternidade garante um encontro da mulher com a própria infância, na qual ela chama de sombra.

 

Mas, mesmo com toda essa sombra as mulheres têm bebês que esperam por amor, afeto e cuidados. E que estudar o passado é uma forma de proporcionar o amor de forma mais pura e intensa: “As crianças estão o tempo todo desesperadas pedindo suas mães.”. E o estudo do nosso emocional pode nos dar esclarecimentos e ajudar a resolver conflitos, já que, de acordo com ela, no campo emocional não existem muros.

 

Quando nos sujeitamos a discutir nossas relações no passado, nossa infância, tudo pode se resolver com mais facilidade: “Tudo que possamos pensar, resolver, discutir não é para nós, é para as próximas gerações.”, ressaltou a psicoterapeuta.

 

A relação entre mãe e filho é muito genuína e extremamente importante, e a lição mais importante que Laura nos deu na palestra é que o amor é maior que tudo: “Não existe algo mais bonito que os olhos de bebês apaixonados” diz Laura.

 

Não podemos deixar de agradecer aos nossos incríveis patrocinadores: Vult, Porto Seguro, PIK – Pediatria e Imunização Klabin, HJ Nogueira Corretora de Seguros e yellow.a; e nossos parceiros Biografia Humana e Casa do Brincar. 

 

Confira todas as fotos aqui: https://bit.ly/1TuIjHt  e assista ao vídeo: https://bit.ly/1THe1Mi

 

Fotos: Luciana Cardoso

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!