Reprodução assistida para casais sorodiscordantes

Muitas são as dúvidas sobre a reprodução humana em casais sorodiscordantes, e devido a todo um avanço tecnológico através da reprodução assistida é possível que casais nessa condição tenham um bebê saudável. Portadores de HIV ou Hepatite B ou C, sendo um ou ambos, podem, sim, ter filhos através dessa técnica.
 

O Dr. Alfonso explica como que a reprodução assistida acontece nesses casos: “O tratamento para casais sorodiscordantes consiste em uma lavagem seminal realizada através da centrifugação e ultra-filtragem que isolam do líquido seminal os espermatozoides livres de contaminação do ambiente onde o vírus se concentra – o líquido seminal – e possibilitando assim a utilização de espermatozoides sadios para procedimentos como a inseminação intra-uterina e a Fertilização In Vitro/ICSI. Assim, o tratamento para casais sorodiscordantes consiste na lavagem seminal, o paciente portador de HIV e/ou Hepatites B e C tem a possibilidade de gerar um filho sem que mãe e bebê corram riscos de serem contaminados.”
 

Cada caso tem um procedimento diferente, como o médico explica:
 

1. Homem infectado e mulher não: é a mais simples e não existe contra-indicação para a gestação, pois se trata de mulher sadia. O importante é estabelecer os critérios laboratoriais para o preparo e a forma de utilização do sêmen do homem infectado.
 

2. Homem e mulher infectados: a realização ou não do procedimento dependerá do estado clínico de saúde da mulher e, no que concerne ao HIV, se houver sorodiscordância para outras infecções coexistentes como hepatite B, hepatite C e HTLV em um dos parceiros.

 

3. Homem não infectado e mulher infectada: a situação clínica da mulher é o fator limitante. Nestes pacientes o parto vaginal e a amamentação devem ser evitados para não ocorrer a transmissão vertical. Os casais e bebês submetidos a estes tratamentos deverão ser acompanhados por infectologistas por, pelo menos, 10 anos.
 

Mas quais são os cuidados antes de começar o tratamento?
 

1. Acompanhamento e consentimento do infectologista responsável pelo paciente

2. Dosagem dos linfócitos T CD4+/mm3;

3. Avaliação de carga viral no sangue;

4. Avaliação da carga viral no sêmen (número de cópias/ml). Fundamental nos casos em que o marido for o infectado, mesmo que a carga viral plasmática (no sangue) for baixa ou inexistente, isto não elimina a possibilidade de encontrar o vírus no sêmen. Por isto esta avaliação é muito importante antes do início do tratamento.

 

A Clínica Mãe tem os melhores profissionais especialistas em reprodução humana e uma equipe completa para te atender. Não se esqueça de mencionar a Somos Mães de Primeira Viagem para garantir um presente especial.

 

Fonte: Clínica Mãe

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,958FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!