test

Pré-eclâmpsia: o que é essa complicação gestacional que se manifesta a partir da hipertensão arterial 

Nesta semana, a notícia de que uma mulher de 54 anos faleceu de eclâmpsia dias após dar à luz gêmeas deixou muitas gestantes preocupadas: afinal, o que é essa complicação gestacional e quem corre o risco de desenvolvê-la?

Segundo a Dra. Mariana Rosario, ginecologista, obstetra e mastologista, membro do corpo clínico do hospital Albert Einstein, a eclâmpsia é uma complicação da pré-eclâmpsia. Nesse estágio, a mulher já apresenta convulsões e outros sintomas ligados ao aumento da pressão arterial que podem levá-la ao coma e ao óbito. “No caso apresentado, relatou-se uma eclâmpsia tardia, ou seja, dias depois do parto. Não consigo avaliar a situação dessa mulher, especificamente, porque não acompanhei o caso dela, mas sempre a eclâmpsia se desenvolve a partir de uma pré-eclâmpsia e, por isso, é preciso cuidar para que a situação não evolua”, comenta.

Dra. Mariana Rosario explica a pré-eclâmpsia, condição que pode levar à eclâmpsia:

O que é a pré-eclâmpsia e por que ela é tão perigosa?

A pré-eclâmpsia é uma complicação da gravidez que é constantemente estudada porque tem diversas causas aparentes e pode se tornar bastante grave. A ciência mostra que ocorrem problemas no desenvolvimento dos vasos da placenta e isso gera diminuição da circulação sanguínea, aumento da pressão arterial e alterações na capacidade de coagulação do sangue.

A pré-eclâmpsia manifesta-se a partir da 20ª semana de gestação, no parto e até após ele. Para caracterizá-la, a paciente precisa apresentar pressão arterial alta (superior a 14×9) e proteinúria (presença de proteínas na urina). Um dos sinais evidentes é bastante edema (inchaço) no corpo, causado pela retenção de líquidos.

A pré-eclâmpsia é perigosa porque pode levar à eclâmpsia, quadro grave que inclui convulsões e até como e morte. Outra complicação é a Síndrome Hellp: além do quadro de eclâmpsia, existe a destruição das células sanguíneas e elevação das enzimas hepáticas, outro quadro grave. Sangramentos, edema agudo de pulmão, insuficiência renal e do fígado e prematuridade do bebê podem ser causados pela pré-eclâmpsia – portanto, é preciso muito cuidado com a doença.

Como prevenir a pré-eclâmpsia?

Mulheres que engravidam com sobrepeso ou obesidade; pressão arterial alta; diabetes ou resistência à insulina ou mesmo aquelas aparentemente saudáveis, mas com péssimos hábitos – como sedentarismo e alimentação pouco saudável – carregam os fatores de risco para a pré-eclâmpsia. Mulheres acima dos 40 anos ou abaixo dos 18 anos têm fator de risco elevado.

Fazer o pré-natal com cuidado é outro cuidado importante, porque nem sempre a condição apresenta sintomas e o obstetra precisa verificar a pressão arterial e os exames bioquímicos constantemente. Quando identificada no começo, a pré-eclâmpsia pode ser tratada com mais eficácia. Repouso, redução do sal e do sódio e ingestão de bastante água são indicados para os casos leves, além do controle da pressão arterial.

Sobre a Dra. Mariana Rosario

Dra. Mariana Rosario – Ginecologista, Obstetra e Mastologista. CRM- SP: 127087. RQE Masto: 42874. RQE GO: 71979.

Participe do nosso Curso para Gestantes presencial em São Paulo, turmas mensais, acesse aqui.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!