Introdução alimentar, como fazer?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS) preconizam o aleitamento materno exclusivo durante os primeiros seis meses de vida, ou seja, a criança deve receber somente o leite materno e nenhum outro líquido ou sólido, com exceção apenas para medicamentos. A partir do sexto mês acontece uma grande mudança na vida dos pequenos: além do leite materno, ele passa a ser exposto a novos sabores. Essa adaptação nem sempre é fácil e algumas crianças simplesmente não aceitam a novidade.

 

O sexto mês é um período em que os pais devem introduzir as papinhas na rotina alimentar dos filhos – tanto as salgadas como as doces. Serão, em média, quatro mamadas para duas papas. Uma dica importante é jamais usar o liquidificador, que tritura todos os ingredientes. “A papinha deve ser pastosa, mas não totalmente liquefeita, sendo necessário, nesta primeira etapa, amassar os alimentos. Não existe restrição em relação às frutas a serem usadas, embora muitos evitem as mais ácidas e preferem a laranja-lima. Seja como for, a principal preocupação é que elas sejam frescas, in natura e, de preferência, da estação”, esclarece a pediatra e nutróloga do HCor (Hospital do Coração), Dra. Daniela Gomes.

 

Para a nutróloga e pediatra do HCor, se na fase de introdução o lactente não aceitar bem a novidade vale complementar a refeição com o leite materno. “Entre os grupos de alimentos que podem ser cozidos e amassados, estão as principais categorias: cereais ou tubérculos, leguminosas, carne (vaca, frango, peixe) ou ovo e hortaliças (verduras e legumes). O óleo vegetal deve ser usado em mínima quantidade. As papas podem ser preparadas, por exemplo, com batata, lentilha, cenoura, músculo e couve e o azeite deve ser acrescentado no final da preparação. Pode-se também incluir outros legumes, folhas e carnes. É imprescindível usar alimentos frescos e não utilizar sal. Os temperos naturais como cebola, alho, salsinha e cebolinha podem ser usados, exceto os temperos fortes como a pimenta”, explica.

 

Nessa fase, o bebê também deve começar a tomar água. Procure oferecer durante todo o dia. Sempre no copo para não ameaçar a amamentação com a confusão de bicos. Já os sucos, segundo recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria, devem demorar mais tempo para fazer parte do cardápio dos pequenos. “Oferecer a fruta in natura é sempre a melhor opção. Por isso, jamais substitua os alimentos sólidos por bebidas. Para matar a sede, dê a água e não o suco”, alerta Dra. Daniela Gomes.

 

Já do nono mês até o primeiro ano de vida, o bebê deve passar gradativamente para a refeição da família, com ajuste apenas na consistência dos alimentos. Vale sempre lembrar a importância dos hábitos alimentares da casa na dieta dessa criança. “Se os pais comem lasanha congelada, sanduíches e pizza vários dias por semana, a criança terá dificuldades para criar uma dieta saudável. O cardápio deve ter alimentos variados, coloridos e frescos. A monotonia é outro risco que deve ser evitado, sob pena de o pequeno se tornar seletivo demais em fases posteriores. Uma dica valiosa é amassar os alimentos separadamente para que ele sinta o gosto de cada um. Se possível, prepare refeições coloridas, que encham os olhos. Vale, inclusive, optar por pratos infantis, que já vêm com divisórias. Procure também deixar seu filho apreciar o aroma da comida, feita na hora. Tudo isso vai despertar os sentidos dele”, enfatiza Dra. Daniela. Gomes.

 

Texto: Target Comunicação

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!