test

Gravidez e variante Ômicron: o que saber?

Os novos casos de Covid-19 e o aumento da infecção pela variante Ômicron no país preocupam as autoridades sanitárias. A possibilidade de uma coinfecção com a Influenza H3N2, chamada popularmente de “Flurona”, acende ainda mais esse alerta. Mas para as grávidas e tentantes, o conselho continua o mesmo: vacinação e cuidados redobrados. Segundo a ginecologista especialista em reprodução assistida, Dra. Adriana de Góes, não existe nenhuma recomendação da Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia para que as mulheres adiem a gestação. “Quando se trata da saúde reprodutiva, nem sempre é possível esperar. Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou os tratamentos de fertilização, principalmente agora que temos a vacina para nos proteger e minimizar o agravamento dos casos”, afirma.

Estudos mostram que os casos graves de Covid em gestantes, nos países onde a ômicron está disseminada, afetam prioritariamente aquelas que não estão vacinadas. Hoje, no Brasil, 58% das grávidas já estão com as duas doses do imunizante, segundo os dados do Observatório Obstétrico COVID-19. De acordo com orientações do Ministério da Saúde, as gestantes que apresentem qualquer tipo de comorbidade devem ser incluídas no grupo prioritário para a vacinação. A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida reforça ainda: não há indícios de que a vacina eleva o risco de contrair o coronavírus, já que nenhum dos imunizantes contra a Covid-19 utiliza o vírus vivo. 

A ômicron, embora mais contagiosa que outras variantes, não oferece riscos extras às gestantes, além dos já conhecidos para a Covid-19. “Mantemos o mesmo grau de preocupação com as gestantes. Todo quadro infeccioso durante uma gestação gera risco de prematuridade do parto. Se a gestante tem alguma comorbidade, como diabetes ou obesidade, a preocupação é ainda maior”, explica a Dra. Adriana. “As grávidas têm uma limitação respiratória pelo grande volume uterino e doenças respiratórias agravam isso, ainda mais se pensarmos numa possível coinfecção de Covid e Influenza. Por isso, a vacinação para as duas doenças é altamente recomendável”. Assim como uso de máscara, preferencialmente N95, higienização das mãos e evitar aglomerações.

FIV

Embora a procura por congelamento de óvulos na pandemia tenha crescido consideravelmente, não existe qualquer contraindicação para as mulheres que querem fazer agora o tratamento de reprodução assistida “Diversas medidas vêm sendo adotadas nas clínicas para dar mais segurança aos pacientes. Por isso, as tentantes podem seguir com o tratamento dentro das orientações de segurança”, explica a especialista. 

“As clínicas devem redobrar a limpeza do local, a desinfecção de ambientes e equipamentos. Além, é claro, de evitar aglomerações, fazer – e exigir – o uso de máscaras, como prevê a lei, e dar um maior espaçamento nos horários entre os pacientes”. 

Por fim, a médica reforça que a hora é de prudência e de atenção para todos, tanto para os profissionais de saúde, quanto para os pacientes. “A cautela e a segurança são o segredo para seguirmos com os tratamentos de reprodução sem problemas. Tomar a terceira dose e manter os cuidados já regulamentados pelas autoridades de saúde é a orientação para este momento”, finaliza.

Texto: Agência Casa 9

Participe do nosso Curso para Gestantes, saiba quando será a próxima turma clicando aqui.

Siga nossas redes sociais:

@somosmaesevoce

@dolacoaoabraco

@festivalsomosmaes

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!