Entenda a Síndrome do Respirador Bucal

Mamãe, se o seu filho costuma dormir com a boca aberta, fica bastante tempo com ela aberta durante o dia e respira por ela, fique atenta! Ele pode ter a Síndrome do Respirador Bucal e deve ser avaliado por um otorrinolaringologista, já que esses hábitos podem interferir no funcionamento do organismo, como o posicionamento da língua e musculatura facial.

 

De acordo com o otorrinolaringologista da Clínica Dolci em São Paulo e professor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Dr. Ricardo Landini Lutaif Dolci, a síndrome ocorre pelo estreitamento ou obstrução das vias aéreas que impedem a passagem do ar, fazendo com que o indivíduo respire pela boca. “Hipertrofia das amígdalas e adenoides são causas comuns, sendo frequentemente diagnosticadas em crianças entre os 4 e 11 anos de idade”.

 

A fonoaudióloga Haydée Zamperlini explica que apesar do uso de bicos, como mamadeira e chupeta, favorecer a abertura da boca e, consequentemente, o hábito de não colocar o nariz para funcionar, esse não é necessariamente uma das causas da síndrome, mas gera consequências para uma respiração oral. “Se a criança criou o hábito de respirar pela boca e nada está impedindo sua respiração nasal, então, o tratamento neste caso é feito somente com terapia fonoaudiológica para reeducação da respiração”.

 

Além de, com o tempo, causar alterações faciais, como alongamento e estreitamento, oclusão dos dentes de cima com os de baixo e prejudicar a mastigação e fala, essa condição também pode aumentar a possibilidade da criança desenvolver gripes, sinusites, faringites, rinites e crises de asma:  “A função do nariz é: umidificar, aquecer e filtrar o ar inspirado. Sendo assim, se a respiração acontece pela boca pode ocasionar um maior número de doenças respiratórias”, explica o otorrino.

 

Preste atenção!

 

O especialista Dr. Ricardo citou alguns sintomas da síndrome:

 

– Lábios afastados (quando sorri expõe a gengiva/sorriso gengival);

 

– Comer com pausas para respirar pela boca;

 

– Alimentação ruim no caso das crianças que, geralmente, não gostam de alimentos sólidos;

 

– Face mais estreita e alongada;

 

– Céu da boca alto (palato ogival);

 

– Ronco e apneia do sono.

 

Haydée finaliza que o tratamento deve ser feito por uma equipe multidisciplinar e é importante o diagnóstico precoce para que o tratamento se inicie o mais cedo possível, assim, menos deformidades orofaciais podem ocorrer.

 
Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,956FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!