test

Decisão desobriga afastamento de gestantes do trabalho presencial durante a pandemia. Veja novas regras

O Governo Federal sancionou o Projeto de Lei n° 2058, que trata das hipóteses de afastamento e retorno ao trabalho presencial das mulheres grávidas – alterando outra lei, nº 14.151, de maio de 2021. As novas regras já estão em vigor e foram publicadas no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (10).

Na nova recomendação, gestantes já imunizadas com as vacinas contra o coronavírus podem voltar ao trabalho presencial ou permanecer em trabalho remoto, dependendo da estrutura e modelo aderidos pela empresa contratante. “Não há mais a obrigatoriedade do afastamento do trabalho presencial das mulheres gestantes, de acordo com a sanção da nova lei. Caso a gestante tenha decidido por não receber as doses do imunizante contra a Covid-19, no entanto, há a necessidade da obtenção de assinatura em um termo de responsabilidade e livre consentimento para o exercício do trabalho presencial. Nele, a funcionária se compromete a cumprir as medidas preventivas adotadas pelo empregador”, explica o advogado empresarial Marcus Vinícios de Carvalho Ribeiro, do escritório Flávio Pinheiro Neto Advogados. “A legislação anterior versa sobre um período em que não havia ainda a imunização disponível para a população e, portanto, era muito vaga em relação a como a empresa deveria agir com a funcionária grávida e a ameaça crescente de contaminação”, diz.

O jurista indica, no entanto, que apesar da desobrigatoriedade do home office, as empresas estejam abertas a estudar cada caso. “Deve haver o diálogo entre empregador e empregada para decidir a melhor forma de lidar com a situação. Caso a funcionária exerça um cargo que for incompatível com a realização do mesmo em modelo de home office, há a possibilidade de troca de função desta colaboradora temporariamente, para que ela trabalhe em seu domicílio na situação de falta de vacina ou se a mulher, mesmo vacinada, se sinta insegura para a volta ao trabalho presencial”, afirma o advogado. “A mudança na lei ampara a empresa para a melhor gerência da situação. Ao invés de deixar a companhia em uma situação frágil, tendo que afastar as funcionárias independentemente de ter funções que poderiam ou não fazer em home office, agora há a possibilidade de mantê-las no ambiente de trabalho presencial, fomentando a produtividade da empresa”, diz.

Para Carvalho Ribeiro, é importante que a decisão da empresa seja amparada não só pela nova orientação legal, mas também pelo propósito do negócio. “Nestes últimos dois anos houve a consolidação do modelo híbrido de trabalho, que pode ser uma opção neste momento, visando o bem-estar da gestante. Também é importante que o empregador leve em consideração a possibilidade do home office se este não for prejudicial à rotina da empresa. É sempre importante tomar este tipo de decisão com base nos preceitos da ética e da atuação da empresa, priorizando as relações de trabalho em longo prazo”, avalia.

Participe do Curso para Gestantes Somos Mães, mais informações aqui.

Temos Curso para Gestantes presencial em libras, informações no link.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,125FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!