Criador do parto sem violência morre na França

No último dia 25 de maio, o obstetra francês Frédérick Leboyer faleceu, aos 98 anos. Ele é conhecido mundialmente por ter mudado a forma como os partos são feitos, ou seja, tudo o que você já ouviu falar sobre parto sem violência teve origem nos estudos e no método deste profissional.

 

Em 1974, Leboyer publicou o livro “Nascer sorrindo”, que logo tornou-se best seller. Na obra, o autor faz uma crítica a um momento tão sublime para pais e mães, que é o nascimento do seu filho. “Quem quer que seja, um pequeno ser acaba de nascer. O pai, a mãe o contemplam radiantes. Não há ninguém, nem mesmo o jovem médico, que não partilhe da alegria geral…Todo mundo irradia felicidade e contentamento. Todo mundo… menos a criança.”

 

Foi com essa constatação que o médico ressaltou que era preciso dar mais atenção para o protagonista do parto: o bebê.

 

O parto Leboyer, também conhecido como parto sem violência, consiste em humanizar o parto para evitar incômodos e traumas ao bebê, a partir de alguns cuidados:

 

  • O ambiente deve estar quente, com pouca luz e quase nenhum barulho;
  • Ao invés da palmada nas costas, massagear suavemente o bebê;
  • Entregar o recém-nascido diretamente para a mãe;
  • O cordão umbilical só deve ser cortado após a parada de sua pulsação;
  • O banho deve ser ao lado da mãe e preferencialmente dado pelo pai;
  • O parto Leboyer pode ser feito na água, no parto normal ou cesariana.

 

Conversamos com a consultora materna Dayse Melo, que fala sobre a importância do obstetra: “O trabalho de Frédérick Leboyer é o que eu chamaria de ‘olhar o outro desde o primeiro instante com amor e respeito’, literalmente. A preconização do parto sem violência, tornando a primeira experiência do bebê fora do útero mais calma e tranquila, é fantástica”, acredita.

 

“Estudos demonstram que, trazer mais segurança para o bebê, logo no primeiro momento, com suave toque nas costas, pouca iluminação no ambiente e aquecimento adequado é sem dúvida uma delicadeza ao receber o ser humano”, completa Dayse.

 

Leboyer também é responsável pela divulgação da Shantala, técnica milenar indiana de massagem. O autor do livro “Shantala, massagem para bebês: uma arte tradicional”, se interessou pelo tema após visitar a Índia e ver uma mulher massageando seu filho.

 

“Sim, os bebês têm necessidade de leite, mas muito mais de serem amados e receberem carinho. Serem levados, embalados, acariciados, pegos e massageados”. LEBOYER

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,976FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!