Casos de bronquiolite aumentam com a chegada do outono

 As epidemias anuais ocorrem sazonalmente em todo o mundo, no Brasil com início no outono e picos no inverno, e devido à oscilação climática observamos seu início cada vez mais cedo.

 

Em São Paulo, já foi notificado um aumento no número de casos de bronquiolites no mês de março.

 

Bronquiolite viral aguda é uma inflamação dos brônquios e bronquíolos, que são os canais que conduzem o ar para os pulmões, e ocorre, principalmente, em bebês abaixo de 2 anos e, mais frequentemente, nos menores de 1 ano.

 

Causada pelos vírus respiratórios: como o vírus sincicial respiratório (VSR), metapneumovírus, rinovírus, adenovírus, parainfluenza e influenza. O mais frequente é o VSR. Esses vírus são os mesmos que causam resfriado nas crianças maiores e adultos. Quando eles ficam apenas nas vias aéreas superiores (nariz e garganta) os sintomas serão de resfriado: coriza, espirros, nariz entupido, garganta inflamada, febre e, as vezes, pouca tosse. Na bronquiolite, esses mesmos vírus descem para as vias aéreas inferiores, inflamando e fechando brônquios e bronquíolos e causando os sintomas da bronquiolite: chiado no peito, tosse e dificuldade para respirar, em graus variados – desde casos bem leves até casos graves, com necessidade de internação em unidade de terapia intensiva.

 

O pico dos sintomas costuma ocorrer entre 5 a 7 dias do início do quadro, e a recuperação completa geralmente se dá em 1 a 2 semanas, mas pode demorar até 4 semanas nos casos mais graves.

 

O diagnóstico da bronquiolite é clínico, ou seja, é realizado pelo pediatra, sem a necessidade de exames complementares.

 

Os principais fatores de risco para desenvolver bronquiolite são:

 

– Prematuridade;

– Baixo peso ao nascer;

– Idade inferior a 3 meses;

– Crianças com doença pulmonar, neurológica ou cardíaca prévia;

– Imunodeficiência;

– Fumo passivo;

– Frequentar berçário/escolinha;

– Ter irmãos mais velhos que frequentemente trazem infecções respiratórias para casa;

– Ambientes frios (o vírus costuma circular com mais facilidade no outono e no inverno).

 

O tratamento da bronquiolite é de suporte, já que não existe um remédio eficaz que combata o vírus. Deve-se manter a criança bem hidratada, alimentá-la com mais cuidado para evitar engasgos, fluidificar as secreções respiratórias através de inalações com soro fisiológico, além de lavar bem o nariz, também com soro fisiológico. Em casos onde haja insuficiência respiratória, a criança precisa ser internada para receber oxigênio e, às vezes, suporte ventilatório através de aparelhos.

 

O Palivizumab é um anticorpo monoclonal contra o VSR que evita as formas graves na população de alto risco (menores de 1 ano nascidos abaixo de 28 semanas de gestação, menores de 2 anos de idade portadores de algumas cardiopatias e algumas doenças pulmonares). Seu alto custo limita o uso em larga escala, por isso o governo brasileiro disponibiliza essa medicação somente para esses casos especiais.

 

Vacina Infuenza – Prevenir é sempre a melhor opção!

 

O Influenza é um dos vírus causadores da bronquiolite! Portanto, é recomendado a vacinação contra gripe anualmente para todas as crianças acima de 6 meses de idade. (As mutações virais são frequentes e consequentemente há uma mudança nas cepas das vacinas de gripe todos os anos). As vacinas da gripe com a CEPA 2017 já estão disponíveis nas clínicas particulares (Quadrivalente) e na rede pública (Trivalente).

 

Outros cuidados importantes para prevenção:

 

– Evitar aglomerados e lugares fechados;

– Lavagem constante das mãos;

– Uso frequente do álcool gel;

– Evitar contato com pessoas doentes.

 

Também é importante saber que muitas das crianças que apresentam bronquiolite ficam com os brônquios mais sensíveis e se tornam “bebês chiadores”, isto é, frente a algumas situações, como outros resfriados e mudanças climáticas, apresentam novamente episódios de chiado no peito. Isso tende a melhorar com o passar dos anos, mas algumas dessas crianças se tornam asmáticas.

 

O pediatra que acompanha a criança sempre deverá ser consultado!

Sobre o colunista

Dra. Renata Scatena

Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)

Título de Especialista em Terapia Intensiva Pediátrica pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB)

Pediatra e Intensivista, Dra Renata é graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos, com Residência Médica em Pediatria e especialização em Terapia Intensiva Pediátrica pela Universidade de São Paulo – HCFMUSP

Médica Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto de Oncologia Pediátrica / GRAACC/ UNIFESP

Acompanha o crescimento e desenvolvimento de seus pacientes em seu consultório

Faz consultoria em amamentação e aleitamento materno.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,952FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!