Novos pais terão direito a 20 semanas de licença remunerada na JTI

A Japan Tobacco International (JTI) lançou uma nova política global de licença-maternidade e paternidade para os seus 44 mil colaboradores: 20 semanas de licença remunerada, independentemente de gênero, orientação sexual ou forma como os colaboradores se tornaram pais (gravidez, adoção ou barriga solidária). O plano, que será implementado em fases a partir de 1º de janeiro de 2021, coloca a organização entre o 1% de empresas brasileiras que oferecem mais de dois meses de licença-paternidade segundo pesquisa do grupo Talenses. Dessa forma, a JTI espera estar conectada com as mudanças culturais relacionadas às reponsabilidades do pai na criação dos filhos e quebrar estigmas.

A realidade mudou

Há muito tempo o “cuidar” é tido como uma qualidade feminina e uma responsabilidade principalmente das mulheres. Isso se refletiu ao longo do tempo na priorização da mãe como cuidadora dos filhos. Porém, essa realidade vem mudando com o entendimento de que há uma responsabilidade igualitária no cuidado com as crianças entre ambas as partes. É o que  demonstra o relatório “Situação da Paternidade no Brasil 2019: Tempo de Agir” da ONG Promundo, no qual 82% dos pais brasileiros disseram “concordar” ou “concordar fortemente” com a afirmação: “eu farei tudo o que for necessário para estar muito envolvido com o cuidado do meu/minha filho/a recém-nascido/a ou adotado/a nas primeiras semanas e/ou meses”.

Esse envolvimento traz benefícios para o desenvolvimento das crianças e da sociedade. “O impacto positivo do maior envolvimento dos homens – sejam eles pais biológicos ou não – vem sendo comprovado, especialmente, para a saúde materno-infantil, para o desenvolvimento cognitivo das crianças, para o empoderamento das mulheres e para a saúde e o bem-estar dos próprios homens”, ressalta o documento.

Ao todo, a nova política da JTI oferece 140 dias de licença para cada membro do casal. O tempo da licença-paternidade vai muito além do exigido pela legislação brasileira, cinco dias, e que é seguido por 71% das empresas  ouvidas no estudo do Talenses. Da mesma forma, a organização se destaca no cenário global tendo um tempo maior de licença do que 80% dos 81 países em que a empresa atua.

Para garantir um processo de implementação tranquilo e a utilização adequada dos benefícios,  a nova política de licença-paternidade e maternidade será feita em fases nos diferentes países onde a JTI atua. No Brasil, em janeiro de 2021, será implementada a licença-paternidade de 4 semanas (28 dias) e a licença-maternidade de 20 semanas (140 dias). Nos casos de casais LGBTs, será definido o cuidador primário, que terá licença de 20 semanas, e o cuidador secundário, que terá, inicialmente, a licença de 4 semanas. A efetivação total da nova política no país se dará em janeiro de 2023, quando a licença de 140 dias passa a valer para todos.

Com a mudança, a JTI espera reforçar que se tornar pai ou mãe não representa um obstáculo para a carreira e que ambos têm responsabilidades nos cuidados com os filhos. “Essa nova política de licença-familiar é um grande marco na nossa jornada em busca da diversidade e da igualdade de gênero. Estamos orgulhosos de apresentar esse novo benefício sem distinção de gênero, que apoia todas as famílias e dá a todos os pais oportunidades iguais de passar um tempo de qualidade com seus filhos, sem se preocupar com o impacto que isso poderia ter em suas finanças ou carreiras ”, diz Eddy Pirard, presidente e CEO global da JTI.

Com essa nova estratégia, a JTI busca apoiar o bem-estar de seus colaboradores, ajudando-os nos estágios iniciais de criação de uma família enquanto continuam a prosperar no trabalho. “Essa mudança é um avanço na nossa política progressiva de diversidade e inclusão. Nosso objetivo é mudar os estigmas relacionados à licença maternidade e paternidade, além de demonstrar que acolhemos, apoiamos e valorizamos todos os nossos colaboradores”, afirma Thiago Dotto, Diretor de Pessoas e Cultura da JTI Brasil.

Licenças maternidade e paternidade em números no Brasil

  • 71% das empresas dão apenas cinco dias de licença-paternidade para seus colaboradores, o mínimo exigido pela lei brasileira.
  • Entre as entrevistadas, 13% cedem 20 dias aos pais e apenas 1% garantem mais de dois meses de benefício.
  • 3 em cada 10 empresas oferecem licença-maternidade estendida no Brasil. Este número cai para 2% no caso da licença-paternidade.
  • 63% das empresas entrevistadas garantem o tempo mínimo de licença-maternidade, de quatro meses. Já 29% cedem seis meses.
  • 55% das empresas não oferecem qualquer tipo de programa ou ação voltada para a jornada da maternidade. Este número sobe para 68,3% no caso de ações voltadas para os pais.

Os dados são do estudo “Os Efeitos da Licença-Maternidade e Paternidade no Mercado de Trabalho” do Talenses Group em parceria com a Filhos no Currículo. A pesquisa foi realizada com os profissionais responsáveis pelas licenças paternidade e maternidade de 721 organizações em dezembro de 2019.

Pesquisa completa: https://online.fliphtml5.com/cbkwr/gxtx/#p=1

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,242FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!