Mãe Canguru: um gesto de amor, segurança e carinho com o pequeno

A prática do “Mãe Canguru” é recomendada para bebês prematuros, onde a mamãe passa um período com o pequeno em posição vertical e amarrado ao seu corpo. Esse método traz muita segurança e um contato mais próximo da criança com a mãe, o que é essencial nos seus primeiros dias após o nascimento. Mas, não é só a mãe que desfruta desse momento especial, o papai também pode fazer isso.

 

O “Mãe Canguru” é um tipo de humanização e assistência neonatal que tem o intuito de oferecer ao bebê uma melhor transição da vida uterina a extra-uterina. Além, é claro, de proporcionar maior segurança ao pequeno e aos pais que precisam trabalhar a questão do desenvolvimento do recém-nascido que veio antes ao mundo.

 

Com esse ato é possível evitar que o bebê tenha infecções hospitalares. Podendo também neutralizar refluxos e manter as vias aéreas livres, o que evita sufocação da criança e diminui o risco de apneia, que é a parada de respiração durante o sono. O contato direto com a pele da mamãe estabiliza a temperatura corpórea do bebê. E gera o fortalecimento do contato e laços afetivos, beneficiando também o desenvolvimento neurológico do pequeno.

 

Geralmente, a primeira vez que se faz essa prática do “Mãe Canguru” é quando o bebê ainda está na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI Neo). É obrigação do hospital dar livre acesso dos pais a UTI Neonatal para que eles possam tocar e interagir com o filho. Junto a equipe hospitalar, devem decidir como será realizada a prática do “Mãe Canguru”, isso sempre respeitando a condição clínica do recém-nascido.

 

Mas, esse cuidado não acaba quando o bebê tem alta hospitalar. É recomendável que os pais continuem fazendo em casa. Mas antes, a mamãe tem que se assegurar que vai poder ficar com o filho preso em seu corpo por bastante tempo sem que isso a atrapalhe. A mãe ou qualquer pessoa da confiança dela que vai realizar a prática do “Mãe Canguru” tem que verificar se o bebê estará bem preso, para a segurança de todos. A partir disso, todas as atividades do dia serão feitas normalmente.

 

Mesmo depois da alta hospitalar do bebê, as visitas ao hospital ainda serão frequentes. Tudo isso para garantir a segurança e estabilidade clínica. Mas, conforme a orientação médica as visitas irão diminuir e, com isso, a prática do “Mãe Canguru” também. É comum que essa prática seja feita até o bebê atingir dois quilos ou até a data provável de nascimento, em caso de prematuro, se chegar nesse momento, é fácil perceber a agitação da criança que indica que ela deixou de ser um “canguruzinho”.

 

A eficácia do “Mãe Canguru” é comprovada cientificamente, mas ela não substitui o uso de tecnologias que o bebê é submetido logo após seu nascimento prematuro. Essa prática serve como um complemento para que o processo de adequação do pequeno a vida extra-uterina seja mais saudável, seguro e carinhoso.

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,950FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!