Dicas para estimular a fertilidade

Alguns hábitos rotineiros, como alimentação saudável, atividades físicas, ingestão de vitaminas, menos estresse e mais qualidade de vida, colaboram para a fertilidade dos pacientes. O ginecologista e especialista em Reprodução Humana, Dr. Luiz Eduardo Albuquerque, diretor da Fertivitro, relaciona 10 dicas de como é possível estimular a fertilidade feminina e masculina de forma natural e simples, apenas com a mudança de atitudes. 

1- Alimentação equilibrada: alimentos ricos em Ômega 3 como os peixes, proteínas, grãos (vitamina E), legumes e frutas são indicados, pois podem melhorar a qualidade do espermatozoide. Já as dietas ricas em carne vermelha e carboidratos refinados prejudicam a capacidade de movimentação dos espermatozoides. Homens que ingerem gorduras trans apresentam diminuição na quantidade de espermatozoides encontrados no sêmen.

 

Sugere-se evitar carne bovina mal passada, peixe cru e alimentos que não estão bem lavados, por transmitirem a toxoplasmose, entre outras doenças, principalmente, para as mulheres. “Alimentos afrodisíacos, como amendoim, não estimulam a fertilidade, isso é mito. Da mesma forma que comer abacaxi, gelatina e inhame e tomar suplementos de A a Z não interferem na fertilidade”, alerta Dr. Luiz.

2- Vitaminas A: administração de vitaminas e oligoelementos (microminerais) podem ajudar de uma forma racional e econômica na luta contra a infertilidade, antes de iniciar um tratamento médico. Alguns antioxidantes, vitaminas e minerais ajudam na fertilidade feminina e masculina.

 

Vitamina C: tem sido associada com a melhora da qualidade do esperma e fragmentação de DNA, auxiliando a reduzir as chances de aborto.

 

Vitamina D: é necessária para ajudar o corpo a produzir os hormônios sexuais responsáveis pela ovulação. Além disso, quando diminuída esta associada a falhas de implantação do embrião.

 

Vitamina E: estudos demonstram que a vitamina E melhora a qualidade dos espermatozoides. Ela também é um antioxidante importante para neutralizar os radicais livres, ajuda a proteger o esperma, auxilia na fertilização e na integridade do DNA do óvulo.

3- Exercícios físicos: atividade física realizada de forma moderada evita a obesidade e, consequentemente, pode evitar a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), a qual geralmente prejudica a ovulação.

4- Qualidade de vida: diminuir o ritmo de trabalho e aumentar as atividades físicas ou de lazer, que aliviam o estresse, impactam na saúde física e mental.

5- NÃO ao Bisfenol A:  Bisfenol A é encontrado em plásticos e resinas, pesticidas e herbicidas usados na lavoura. Inadvertidamente ingeridos alteram o sistema endócrino, modificando o sistema hormonal do organismo, gerando prejuízos irreversíveis à fertilidade, tais como: aborto, diminuição da qualidade e quantidade de espermatozoides, Síndrome do Ovário Policístico (SOP) e aumento da incidência de câncer de ovário e endométrio, segundo alguns estudos.

6- Idade da mulher: uma das principais recomendações é para que a mulher não deixe para tentar uma gravidez após os 35 anos, porque há uma queda na qualidade e número de óvulos. Além da dificuldade de uma gravidez, as taxas de aborto são maiores nessa idade, em decorrência de alterações cromossômicas no embrião formado.

7- Evite álcool e drogas: evite o consumo de cigarros, bebidas alcoólicas, substâncias químicas e hormônios masculinos, porque são contraindicados para quem pretende ter um filho.

8- Prevenção de DST: a relação sexual deve ser praticada sempre com o uso de preservativo para não contrair Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), quando não há intenção de gestação.

9- Obesidade: excesso de peso pode diminuir a fertilidade do homem e da mulher. O desequilíbrio hormonal pode causar Síndrome do Ovário Policístico (SOP), ciclos menstruais irregulares, anovulação (diminuição ou parada da ovulação) e poucas chances de gestação. “Mas não é preciso exagerar nas dietas e nos exercícios físicos, porque tudo em excesso pode ser prejudicial”, aconselha o especialista da Fertivitro. 

10- Exposição a metais pesados: exposição a metais pesados como o cobre, chumbo, mercúrio, cádmio, arsênico, níquel, ouro, entre outros, afetam a fertilidade. Essas substâncias químicas são nocivas ao organismo porque podem causar aborto, malformações fetais, parto prematuro; danificam a placenta, os óvulos e espermatozoides e afetam os ovários e testículos.  

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,952FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!