Conheça o exame anti-mülleriano

Por meio de um simples teste de sangue é possível medir os níveis do hormônio anti-mülleriano, produzido pelas células dos ovários, e saber como está a saúde reprodutiva e até que idade a mulher poderá engravidar.

 

Cada vez mais as brasileiras estão deixando para ter o primeiro filho após os 30 anos. O percentual de mães nesta faixa etária cresceu na última década no país, passando de 22,5% em 2000 para 30,2% em 2012, segundo o estudo “Saúde Brasil”, divulgado em 2014, pelo Ministério da Saúde. Apesar do aspecto positivo, como a dedicação à carreira profissional, essa tendência traz algumas preocupações para as mulheres, uma vez que, quanto maior a idade, maior também é a dificuldade de engravidar.

 

A partir dos 35 anos há uma diminuição da produção de óvulos viáveis para que ocorra a fecundação. Porém, a função ovariana varia de acordo com cada pessoa. O exame anti-mülleriano ajuda a planejar melhor a maternidade e pode evitar problemas, já que é possível saber como estar a reserva ovariana. 

 

“Atualmente, este exame é considerado o mais efetivo como marcador do declínio da idade reprodutiva, predizendo a alta, adequada ou baixa resposta ovariana”, afirma Dr. Ricardo Oliveira, diretor médico e fundador do laboratório RDO. “Como as mulheres estão deixando para engravidar mais tarde, a dosagem do hormônio é um novo recurso para ajudar a planejar a maternidade ou até mesmo na decisão de congelar os óvulos, por exemplo, para uma gravidez futura ou mesmo em caráter preventivo em caso de pacientes com câncer.”

 

Do sangue que é coletado da mulher são medidos os níveis do hormônio anti-mülleriano (AMH), produzido pelas células dos ovários e que controla o desenvolvimento dos folículos (a partir dos quais os óvulos se desenvolvem). Com o resultado da dosagem hormonal, é feita uma avaliação da reserva ovariana, indicando, por exemplo, a quantidade de óvulos, quando eles devem acabar e o início da menopausa.

 

A dosagem sanguínea pode ser realizada em qualquer fase do ciclo menstrual. “Comparado com outros testes, o anti-mülleriano parece ser o melhor biomarcador da função dos ovários, predizendo o declínio da quantidade e da qualidade dos óvulos”, explica Dr. Ricardo. “Ele aponta também a transição menopausal, alta ou baixa resposta ovariana ao estímulo hormonal usado em ciclos de fertilização in vitro (FIV), marcador indireto da síndrome dos ovários policísticos e de tumores de células granulosas”, conclui. 

 

Texto: Target 

Artigo anteriorGestação – o que evitar
Próximo artigoDor do crescimento
Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,970FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!