10 tópicos sobre o cenário materno brasileiro

O Brasil vem apresentando melhora em alguns índices, mas ainda há muito o que fazer quando se fala em saúde pública e educação e no forte impacto que tais temas exercem quando o assunto é maternidade e paternidade. Enquanto 66% das grávidas adolescentes não planejaram a gestação, a taxa de gravidez na faixa etária de 30 a 39 anos é de 30,8%.  As taxas de mortalidade materna e infantil estão em constante queda. Apesar de não termos dados da rede privada, o número de abortos no país chega a 503 mil. Confira abaixo mais dados e informações sobre gravidez na adolescência, partos, abortos, violência obstétrica, faixa etária, prematuridade, mortalidade materna e infantil, mercado de trabalho e responsabilidade na criação dos filhos.

Gravidez na adolescência

 

De acordo com o Ministério da Saúde, o número de adolescentes grávidas caiu 17% entre 2004 e 2015. Ainda assim, bebês nascidos de mães adolescentes representam 18% dos 3 milhões de nascidos no Brasil em 2015. 

 

66% das gravidezes são indesejadas e a região com mais casos é o Nordeste, seguido por Sudeste, Norte, Sul e Centro-Oeste.

 

Partos 

 

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que as cesáreas devem ser cerca de 15% dos nascimentos, porém, no Brasil, os números estão longe do ideal: 52% das crianças nascem por cesárea, na rede privada essa taxa sobe para 88%, segundo a Fiocruz. 

 

Por isso, em 2016, o Ministério da Saúde lançou um protocolo com orientações para diminuir a taxa de partos cirúrgicos desnecessários no país. 

 

Abortos

 

Como o aborto é criminalizado no Brasil, é difícil chegar a um dado exato e oficial sobre o assunto.

 

Em 2015, estima-se que 211 mulheres morreram após aborto e 3888 tiveram complicações graves, de acordo com o DataSUS. Esses dados referem-se apenas a atendimentos em unidades públicas de saúde. 

 

Em 2016, foi realizada a segunda edição da Pesquisa Nacional de Aborto (PNA) pelo Anis Instituto de Bioética e pela Universidade de Brasília, que estima que 20% das mulheres terão feito ao menos um aborto ilegal até os 40 anos. Ainda segundo o estudo, em 2015, 503 mil mulheres interromperam a gravidez.

 

Violência obstétrica

 

Uma em cada quatro mulheres sofre violência obstétrica no Brasil, segundo pesquisa da Fundação Perseu Abramo. Abusos durante o parto são, muitas vezes, naturalizados e banalizados, por isso, as mulheres não percebem que foram vítimas. 

 

Faixa etária

 

Em pesquisa realizada pelo IBGE, “Estatísticas do Registro Civil 2015”, confirmou-se a tendência de que as brasileiras estão engravidando mais tarde: 30,8% dos nascimentos estão no grupo de mães entre 30 e 39 anos. Em seguida: 25,1% entre 20 e 24 anos, 24,5% entre 25 e 29 e 17% de 15 a 19 anos. 

 

Prematuridade

 

Segundo a ONG Prematuridade.com, nascem por ano, no Brasil, 300 mil bebês prematuros, colocando o país em 10º lugar no ranking mundial de prematuridade. Muitos dos casos são decorrentes de pré-natal deficitário, gravidez na adolescência ou tardia e doenças maternas.

 

Mortalidade Materna

 

No Brasil, a taxa de mortalidade materna caiu 58% entre 1990 e 2015, de 143 para 60 óbitos maternos por 100 mil nascidos vivos, de acordo com o Ministério da Saúde. Porém, a taxa ainda é alta se comparamos com outros países, como o Japão, em que a taxa é de 6 mulheres.

 

Mortalidade Infantil

 

Para o IBGE, a taxa de mortalidade infantil está em queda. Em 2005, a taxa de mortes de crianças até 1 ano era 4%, em 2015 caiu para 2,5%. Na faixa até 5 anos, diminuiu de 4,8% para 3% dos óbitos. 

 

Mercado de Trabalho

 

A pesquisa da FGV “Licença-maternidade e suas consequências no mercado de trabalho do Brasil” mostra que metade da mulheres saem do emprego após a licença maternidade. Os índices variam de acordo com a escolaridade: 51% para mulheres com ensino fundamental incompleto, 53% para ensino fundamental completo, 49% com o ensino médio completo e 35%  escolaridade acima do ensino médio.

 

Responsabilidade pela criação dos filhos

 

Em 89% dos casos, as mães são responsáveis pelos filhos de até 3 anos de idade, segundo a pesquisa Primeiríssima Infância – Creche. Os pais são responsáveis em 5% dos casos. Cuidadores, como avós, tios ou outras pessoas, também atingem a marca de 5%. 

 

Somos Mãeshttps://somosmaes.com.br/
A Somos Mães é uma ONG e uma empresa do setor 2,5 que nasceu em agosto de 2014. Com o objetivo de informar e acolher, produz conteúdo que impacta diariamente mais de 300 mil pessoas. Tem dois projetos incentivados pela Lei Rouanet.

Leia mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga nossas redes

220,986FãsCurtir
65,000SeguidoresSeguir
345InscritosInscrever
spot_img

Últimos posts

error: Content is protected !!