Fga. Haydée B. L. Zamperlini | Fonoaudióloga

Amamentação, nutrição e hábitos de sucção artificiais

Como os palpites e a desinformação podem atrapalhar a jornada dos pais

Publicado em 18/04/2019

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

Fga. Haydée B. L. Zamperlini - Fonoaudióloga

Colunista
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
Amamentação, nutrição e hábitos de sucção artificiais

Os palpites e a desinformação, principalmente na primeira gestação, são os principais problemas especialmente quando falamos do primeiro alimento do bebê, o leite materno.

 

A amamentação, além de primeiro e principal alimento para o bebê com sua importância nutricional, é o grande preparador dos órgãos fonoarticulatórios, afetividade e vínculo materno.

 

Estudos atuais nos mostram que nos primeiros anos de vida do bebê amamentar não é somente alimentar, todo este processo vai influenciar no comportamento alimentar da criança ao longo da sua vida. A primeira experiência alimentar tem que ser bem tranquila e natural para ensinar a criança desde cedo o prazer de se alimentar.

 

Bebês amamentados por livre demanda tendem  a ter suas primeiras experiências alimentares com sucesso após 6 meses de vida. Como também ofertar os alimentos após 6 meses através de experiências sensoriais facilita e proporciona um momento agradável e prazeroso. As primeiras experiências alimentares podem influenciar nos hábitos alimentares no futuro.

 

Muitas vezes na trajetória materna/paterna acontecem interferências, que com ajuda de profissionais podem ser prevenidos e evitados. Neste momento, quando não se tem orientação adequada, abre-se uma janela para os palpites. A indução dos hábitos artificiais é um deles e acontece através das crenças e tradições que ainda são muito fortes em nossa rede de apoio, como familiares, babás e enfermeiras.

 

Vários motivos podem impedir uma mamada natural, desde o frênulo de lábios e lingual, bico do seio materno (a pega correta), a capacidade respiratória que influencia muito na força de sucção. Enfim, são muitos os motivos que impedem o sucesso da amamentação.

 

Estudos relatam que quase 90% dos casos que comprometem a amamentação são resolvidos com ajuda de profissionais habilitados. Nesta trajetória deve-se tomar cuidado com os palpites:

 

-  seu leite é fraco

- você tem pouco leite

- dá a chupeta que o bebê acalma

- no meu tempo se dava uma mamadeira engrossada e o meu filho dormia a noite toda

 - comprei uma mamadeira importada para o meu filho que é semelhante ao bico do seio, ele pegou na hora

- introduza a papinha logo para você ter mais sossego.

 

Mesmo com toda boa intenção, é através destas “supostas soluções” que ocorrerá o desmame.

 

O recém  nascido tem facilidade de adaptar-se aos bicos artificiais antes de completar um mês de vida, isso ocorre porque a amamentação ainda não está estabelecida. O reflexo de sucção permanece por quase 4 meses, por isso o bebê suga os dedos, mão, qualquer objeto que toque a sua boca, mas nem sempre é fome.

 

O bebê, quando amamentado, consegue estabelecer um padrão de ingestão de leite de acordo com sua fome, mamando o suficiente, quando a amamentação está bem estabelecida. O bebê que mama bem na próxima mamada pode mamar menos, e isso não quer dizer que ele ficará com fome.

 

Temos que dar tempo para ajustes da amamentação estabelecendo um controle da ingestão do leite. O bebê estabelece a ingestão adequada sozinho. 

 

Não podemos dizer o mesmo quando a mamadeira é introduzida. É intuitivo que, se é oferecido uma mamadeira de, por exemplo de 60ml ao bebê e ele mamar toda, na próxima aumenta-se o preparo para 80ml e assim sucessivamente, porque entende-se que ingerir tudo é sinal de  ainda estar com fome. Normalmente crianças que fazem uso de mamadeira antes do 6 meses tendem ingerir mais que o necessário.

 

É claro que no fervor de uma noite mal dormida, seu filho chorando e suas mamas doendo, qualquer solução momentânea é bem vinda.

 

NÃO TOME ATITUDES PRECIPITADAS, algumas escolhas às vezes são desnecessárias e podem prejudicar o desenvolvimento natural  do seu filho.

 

Não existe fórmulas, receitas prontas para amamentar e cuidar de um bebê, cada um tem seu tempo, ritmo, mesmo porque somos diferentes. Ser paciente é a palavra chave. Se preparar e se informar sobre o que possa surgir neste primeiro ano de vida  é de fundamental importância. Com consciência se torna mais fácil sanar algum prejuízo que posso surgir.

 

Aproveite e participe do Curso para Gestantes Somos Mães e continue lendo nossa coluna.

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sobre o colunista

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

CRFa. 2 - 3468
 

Especialista em Audiologia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia

Especialista em Motricidade Orofacial  pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia
Mestre em Distúrbios da Comunicação- Pontifícia Universidade  Católica de São Paulo  -  PUC-SP

Fonoaudióloga Clínica

Assessoria  Escolar

Palestrante do Curso de Gestantes Somos Mães de Primeira Viagem

Mãe do Flavio, do Augusto, da Marina e da Isabella